Banner São Bento

Vereador quer ‘fantasma’ no comando da comunicação na Câmara de Dourados

compartilhe:

Malagueta – 07/01/2019

Malagueta web banner

Sérgio Nogueira quer colocar fantasma para comandar comunicação da Câmara

O vereador Sérgio Nogueira (PSDB), eleito 1º Secretário da Câmara Municipal de Dourados, está trabalhando em duas frentes: numa ele pretende emplacar a assessora Sarah Gonçalves na Diretoria de Comunicação do Poder Legislativo, derrubando do cargo a jornalista Érika Patrícia Batista, uma das profissionais mais capacitadas de Dourados, com Mestrado em Comunicação, Especialização em Pós-Graduação Lato Sensu e Graduação em Comunicação Social. A indicação do 1º Secretário seria até legítima se não fosse pelo fato de Sarah Gonçalves ser uma das assessoras lotadas no gabinete de Sérgio Nogueira que não apareciam para trabalhar porque justamente no horário de expediente da Câmara Municipal ela atuava como relações públicas de um importante Centro Universitário de Dourados. Em 14 de junho de 2018,quando a Malagueta recebeu denúncia que servidores lotados nos gabinetes dos membros da Mesa Diretora da Câmara de Dourados não apareciam para trabalhar, foi confirmado que apenas três assessores estavam no gabinete de Sérgio Nogueira. Ao ser questionado pela coluna, o vereador enviou a seguinte resposta: “Sim a jornalista Sarah Gonçalves trabalha na Unigran pela manhã e noite e o Prof. Givaldo Matos é professor do curso de Direito e leciona disciplinas em dias alternados pela manhã e noite. Ambos prestam assessoria específica nas áreas de comunicação e jurídica para o meu gabinete”. Ao ser questionado como os assessores poderiam trabalhar simultaneamente em dois empregos, o vereador Sérgio Nogueira garantiu que eles não precisariam cumprir expediente na Câmara de Dourados, bastando apenas que estivessem à disposição dele nos horários que coincidiam com seus respectivos empregos.

Fantasma Assumida

Diferentemente do Ministério Público Estadual (MPE), que já instaurou Inquérito Civil para investigar os assessores que não davam expediente, o vereador Sérgio Nogueira defende a tese que assessor pode cumprir a carga de trabalho fora do horário de expediente da Câmara Municipal. Agora, a assessora que não cumpria horário pode virar Diretora de Comunicação. A sensação é que a Câmara de Vereadores de Dourados adora flertar com a ilegalidade.

Mudando de Agência

Em outra frente, o vereador Sérgio Nogueira está tentando convencer alguns colegas a assinar documento exigindo nova licitação da Comunicação da Câmara de Vereadores de Dourados. Como a agência foi selecionado há pouco mais de seis meses, é bem provável que não esteja querendo atender pedidos “pouco republicanos” que, diz a lenda, o vereador gosta de fazer aos fornecedores da Câmara. Neste ritmo, alguém acabará passando uma temporada na PED.

Mudança Suspeita

Nunca é demais lembrar que a jornalista Érika Batista conseguiu manter o bom relacionamento da Câmara de Vereadores com os veículos de comunicação de Dourados durante todo o período em que o Legislativo Municipal ficou sem agência de publicidade. Agora que a situação foi normalizada, é no mínimo estranho esse esforço concentrado do vereador Sérgio Nogueira em realizar nova licitação, mesmo porque tanto ele quanto a vereadora Daniela Hall (PSD) estavam na Mesa Diretora que licitaram a atual agência. O presidente Alan Guedes (DEM) precisa colocar ordem nessa bagunça!

Lavanderia Suspeita

O agora empresário Thiago Caetano Alves, ex-chefe de Gabinete do vereador Júnior Rodrigues (PR), líder da prefeita Délia Razuk (PR) na Câmara Municipal, cortou um dobrado na véspera de Natal, quando foi abordado por agentes do Grupo de Apoio e Combate e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) na porta da Penitenciária Estadual de Dourados (PED). Thiago Caetano teve o aparelho celular apreendido e foi conduzido até a residência dele onde foi cumprido mandado de busca e apreensão. Detalhe: o ex-chefe de Gabinete do líder da prefeita agora comanda uma lavanderia que presta serviços à Prefeitura de Dourados.

Barrado na PED

Através de convênio com a Agência Estadual do Sistema Penitenciário (Agepen), a lavanderia comanda por Thiago Caetano Alves usa mão de obra de detentos para atender as demandas do Hospital da Vida e da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas. Por ordem da Justiça, atendendo pedido do Ministério Público Estadual (MPE), o ex-chefe de Gabinete do vereador Júnior Rodrigues está proibido de entrar na Penitenciária Estadual de Dourados. Até aí tudo bem pra ele, ruim será quando ele for proibido de sair. Espia só!

Secretaria de Saúde

Depois do ‘não’ do médico e deputado estadual George Takimoto (MDB), a prefeita Délia Razuk (PR) procura outros nomes para assumir a problemática Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Dourados. Os dois cotados são os também médicos Luiz Machado e Davi Infante, mas ambos já mandaram avisar que sentam para conversar somente depois de garantia de autonomia total para comandar a Pasta, inclusive com liberdade para escolher os diretores técnicos.

Secretarias Estaduais

Por falar em equipe de trabalho, apenas Antônio Carlos Vieira (Sejusp), Eduardo Corrêa Riedel (Segov), Elisa Cléia Pinheiro Rodrigues Nobre (Sedhast), Jaime Elias Verruck (Semagro) e Maria Cecília Amendola da Motta (Educação), além de Carlos Eduardo Girão de Arruda (Controladoria-Geral do Estado) seguiram no primeiro escalão do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) para o segundo mandato que começou na semana passada.

Novos Secretários

As novidades no time titular do governador são Felipe Mattos de Lima Ribeiro (Sefaz), Geraldo Resende Pereira (Saúde), Murilo Zauith (Seinfra) e Roberto Hashioka (Administração), além de Fabíola Marquetti Sanches Rahim (Procuradoria-Geral do Estado). A julgar pelo que o dominical ‘Fantástico’ exibiu ontem, com o escândalo do Aquário do Pantanal, a nova equipe terá muito trabalho pela frente.

Geraldo x Murilo

Ao constatar que Geraldo Resende abriu mão da vaga de suplente da ministra Tereza Cristina (Mapa) para assumir a Secretaria de Estado de Saúde fica praticamente impossível não lembrar o desabafo que o tucano fez em 13 de maio de 2018: “caso o ex-prefeito Murilo Zauith esteja mesmo sendo convidado para compor chapa com o PSDB, seria de bom alvitre por parte do próprio governador Reinaldo Azambuja e das lideranças do PSDB estadual, que eles digam isso abertamente porque não vou dividir palanque com quem foi responsável pela minha derrota na disputa pela Prefeitura de Dourados”.

Murilo x Geraldo

Como em momento algum proferiu qualquer ataque a Geraldo Resende, o ex-prefeito Murilo Zauith agora está confortável tanto na função de vice-governador quanto no cargo de Secretário de Estado de Infraestrutura. O mesmo, porém, não se pode dizer de Geraldo Resende que elegeu o ex-prefeito como inimigo público número 1 e agora, pelo organograma de poder, é subordinado a Murilo Zauith no Parque dos Poderes. Vai vendo.

Governo Paralelo

O fato é que o governador Reinaldo Azambuja precisa adotar medidas preventivas para impedir que Geraldo Resende repita o que fez no governo de Zeca do PT, quando comandou a mesma Secretaria de Estado da Saúde. Na época, Geraldo criou uma espécie de governo paralelo (com equipe de comunicação e tudo mais), capitalizando para si todos os bônus da gestão e deixando os ônus na conta do governo do Estado. Tipo assim: caso Itaquiraí receba um moderno aparelho de Raio-X será mérito de Geraldo; caso o mesmo aparelho não funcione será culpa do governo.

 

Leia também…

1- Em tramitação recorde, presidente do TJ manda soltar ex-secretário de Fazenda de Dourados

2- De olho no Fundo Partidário, Soraya tenta derrubar presidente do PSL

 

Ardidas

 

  • A quem o apresentador Fausto Silva, da TV Globo, se referia quando disse a seguinte frase em seu programa nesse domingo: “O imbecil que ‘tá’ lá e não devia ‘tá’, pode ser até honesto, mas é um idiota que ‘tá’ ferrando todo mundo. Você paga imposto, e o que recebe? Vamos ver se estes novos ares vão mudar. Vamos ver. Tem de rezar para dar certo, não adianta rezar para dar errado”? Como ele não citou nomes, a dúvida levou o nome de Faustão ao topo dos assuntos mais comentados do Twitter na noite de ontem. Os usuários se dividiram. Parte entendeu que o apresentador se referia ao presidente Jair Bolsonaro; outros disseram que ele falava do ex-presidente Michel Temer. O programa foi gravado em novembro, mas àquela altura já se sabia que Bolsonaro seria o presidente quando o quadro fosse ao ar. Também houve a interpretação de que Faustão transmitia um recado duro da TV Globo, alvo de ataques da família Bolsonaro, ao novo presidente. O apresentador disparou em meio ao comentário da atriz Sophie Charlotte que defendeu a valorização do Carnaval e da Amazônia no país. Faustão fez a seguinte introdução antes de citar “o imbecil que ‘tá’ lá e não devia ‘tá’”: “O que acontece: o brasileiro, na hora do Carnaval, na hora da Seleção, é um povo que tem união, solidariedade e uma integração. Por que isso não acontece nas coisas sérias? Lutar por educação, por saúde pública, contra a corrupção, contra a incompetência, que é uma forma de corrupção?”.
  • A presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama), Suely Araújo, disse que o novo ministro da pasta, Ricardo Salles, e o presidente Jair Bolsonaro demonstram “completo desconhecimento da magnitude” do órgão e das suas atribuições. Suely, que está de saída do cargo e será sucedida por Eduardo Bim, divulgou nota para contestar as críticas feitas no Twitter por Salles a um contrato de R$ 28,7 milhões feito pelo Ibama para o aluguel de veículos. Em seguida, Bolsonaro retuitou a mensagem e acrescentou um comentário, dizendo que havia “montanhas de irregularidades” no governo. Pouco tempo depois, o presidente apagou a postagem e compartilhou apenas o texto de Ricardo Salles. “As viaturas do Ibama são objeto de um contrato de locação de âmbito nacional. O novo contrato abrange 393 caminhonetes adaptadas para atividades de fiscalização, combate a incêndios florestais, emergências ambientais, ações de inteligência, vistorias técnicas etc., nos 27 estados brasileiros, e inclui combustível, manutenção e seguro, com substituição a cada dois anos. A acusação sem fundamento evidencia completo desconhecimento da magnitude do Ibama e das suas funções”, diz trecho da nota divulgada por Suely na noite desse domingo (6).
  • De acordo com a presidente do Ibama, o valor do contrato foi reduzido ao longo do processo licitatório, aprovado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Suely sugeriu que o novo governo pretende criar obstáculos à atuação do órgão. “A presidência do Ibama refuta com veemência qualquer insinuação de irregularidade na contratação. Espera, por fim, que o novo governo dedique toda a atenção necessária às importantes tarefas a cargo do Ibama, e não a criar obstáculos à atuação da Autarquia”, concluiu a atual presidente. A confusão começou quando o novo ministro do Meio Ambiente reproduziu, no Twitter, um trecho do Diário Oficial da União com o extrato do contrato. “Quase 30 milhões de reais em aluguel de carros, só para o Ibama…”, escreveu. Bolsonaro não só compartilhou a mensagem como acrescentou: “Estamos em ritmo acelerado, desmontando rapidamente montanhas de irregularidades e situações anormais que estão sendo e serão comprovadas e expostas. A certeza é: havia todo um sistema formado para principalmente violentar financeiramente o brasileiro sem a menor preocupação!”. O comentário foi apagado por Bolsonaro posteriormente.
  • Pouco antes de empossar os dirigentes do Banco do Brasil, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Caixa Econômica Federal, hoje pela manhã, o presidente Jair Bolsonaro disse que a caixa-preta de diversos órgãos começou a ser aberta. “Muitos contratos foram desfeitos e serão expostos”, escreveu o presidente esta manhã no Twitter. “Com poucos dias de governo, não só a caixa-preta do BNDES, mas [também] de outros órgãos”, está sendo levantada e será divulgada, informou. “Muitos contratos foram desfeitos e serão expostos, como o de R$ 44 milhões para criar criptomoeda indígena que foi barrado pela ministra (de Mulheres, Família e Direitos Humanos) Damares Alves e outros”, completou. O presidente se refere à decisão de Damares Alves de suspender um contrato de R$ 44,9 milhões da Fundação Nacional do Índio (Funai) que incluía a elaboração de mapeamento funcional, criação de banco de dados territoriais e implementação de criptomoeda para populações indígenas, segundo a imprensa. No final da manhã, tomaram posse no Banco Brasil, Rubem Novaes; no BNDES, Joaquim Levy; e na Caixa, Pedro Guimarães. O presidente tem hoje despachos com o ministro Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União (TCU), e o deputado federal Fábio Ramalho (MDB-MG).
Fercical
VIA MAX

WHATSAPP DIÁRIO

Logo whatsapp Diario MS