Saúde de Dourados corta transporte a pacientes que fazem hemodiálise em outras cidades

Malagueta – 12/12

 

Calote de R$ 8 milhões no Previd

 

O diretor-presidente do Instituto de Previdência Social dos Servidores do Município de Dourados (Previd), Antônio Marcos Marques, bateu às portas da Câmara de Vereadores para informar que até a tarde de ontem a Prefeitura de Dourados não havia feito o pagamento das contribuições previdenciárias dos meses de março, agosto, setembro e outubro de 2017. Acredite, mas somente para o Previd a Prefeitura de Dourados deixou de pagar R$ 8.129.473,88 (oito milhões, cento e vinte e nove mil, quatrocentos e setenta e três reais e oitenta e oito centavos) num período de apenas quatro meses referentes a cota patronal e alíquota suplementar. A presidente da Câmara de Vereadores de Dourados, Daniela Hall (PSD) recebeu com preocupação a representação do comando do Previd por entender que, ao persistir essa situação, o futuro da previdência municipal estaria ameaçado.

 

 

Inferno Astral

Os problemas nas finanças municipais parecem longe de acabar. No mesmo documento enviado à Câmara Municipal, o Previd informa que a Prefeitura de Dourados também não pagou a contribuição previdenciária referente à cota dos servidores de março deste ano, o que representa um calote de R$ 58.566,83 (cinquenta e oito mil, quinhentos e sessenta e seis reais e oitenta e três centavos). Espia só!

 

Notificando Autoridades

O presidente do Instituto de Previdência Social dos Servidores do Município de Dourados reclama que já enviou notificações extrajudiciais de cobrança à prefeitura e já ingressou com representação perante o Ministério Público Estadual em busca de solução para o problema, mas até o momento nada de concreto foi feito pelos órgãos de controle.

 

Herança Maldita

Além dos mais de R$ 8,1 milhões que deixou de pagar no exercício de 2017, a prefeita Délia Razuk (PR) também herdou uma herança da administração anterior, que deixou de repassar a fábula de R$ 12.824.992,55 (doze milhões, oitocentos e vinte e quatro mil e noventa e dois reais e cinquenta e cinco centavos) ao Previd entre os meses de junho e dezembro de 2016, incluindo o 13º salário. Essa dívida, contudo, já está judicializada por meio de dois processos.

 

Prejuízos ao Previd

Antônio Marcos Marques alerta que a dívida de mais de R$ 21 milhões da Prefeitura de Dourados com o Previd precisa ser quitada para garantir a manutenção do equilíbrio financeiro e atuarial do sistema previdenciário dos servidores municipais. Ademais, os débitos decorrem de obrigação legal prevista na Lei Complementar 108/06, que define o regime próprio de previdência social em Dourados.

 

Duodécimo da Saúde

A Fundação de Serviços de Saúde de Dourados (Funsaud) conseguiu salvar o 13º salário dos servidores. Tudo porque a presidente da Câmara de Vereadores, Daniela Hall, que faz uma gestão marcada pela austeridade nos gastos e responsabilidade fiscal, antecipou hoje pela manhã a devolução de R$ 4 milhões do excedente do duodécimo do Legislativo Municipal. A exigência da Daniela Hall, no entanto, é que parte deste dinheiro seja usado para pagar os funcionários da Funsaud, o que dá uma soma de R$ 1,3 milhão, ou seja, ainda vão sobrar R$ 2,7 milhões para a prefeita usar em outras frentes.

 

Salvando a Lavoura

Ao decidir antecipar a devolução do dinheiro que sobrou, a presidente da Câmara de Vereadores não vai salvar apenas a lavoura dos servidores da Funsaud, mas sobretudo dos moradores dos 33 municípios da Grande Dourados que batem todos os dias às portas do Hospital da Vida e da UPA 24 Horas. Sem a garantia dos recursos para o 13º salário, os servidores ameaçavam cruzar os braços e deixar toda região sem atendimento nas duas unidades de saúde. Espia só!

 

Berenice Respondendo

A coluna observou ontem a presença da presidente do Conselho Municipal de Saúde, Berenice de Oliveira Machado Souza, no protesto dos servidores da Funsaud e lembrou que a mesma Berenice que usou nariz de palhaço para reclamar da Prefeitura de Dourados, num passado não muito distante era só elogios à gestão da saúde pública pela prefeitura.

 

Remember Berenice

A coluna lembrou, inclusive, que ao ser questionada pelo jornal Folha de Dourados sobre o desempenho do secretário municipal de Saúde, Renato Vidigal, a presidente do Conselho Municipal de Saúde havia sido enfática: “Ele é muito bom, tem tudo para fazer uma boa gestão, é resolutivo, está atuando em parceria com o Controle Social”.

 

Explicação de Berenice

Ao ler a nota, Berenice reagiu com a seguinte resposta: “Já que falou no meu nome, vou esclarecer. Não votei na gestão que está aí, mas tentei ajudar no momento de crise com a oncologia. Mas não teve jeito, esse secretário de Saúde é um ditador e não aceita que as coisas não são como ele quer”. Está explicado!

 

Vidigal x Renais Crônicos

O inferno astral do secretário municipal de Saúde, Renato Vidigal, está anos luz do fim. Na manhã desta terça-feira foi a vez da associação que representa os renais crônicos de Dourados protestar contra a gestão da saúde pública. Tudo porque alguém teve a brilhante ideia de cortar o transporte que levava os pacientes para sessão de hemodiálise em outras cidades. Espia só!

 

Nefrologia na Cassems

Fiscais estaduais da Vigilância Sanitária não gostaram nada do que viram nos serviços de nefrologia prestados pelo Hospital da Caixa de Assistência aos Servidores (Cassems) em Dourados. Relatório detalhado dos problemas está sendo elaborado em Campo Grande e o futuro da nefrologia nesta unidade hospitalar pode ficar em xeque.

 

Sorteio da Comunicação

Depois da ensaboada que levou do Ministério Público Estadual por dirigir o sorteio dos nomes que vão compor a Subcomissão Especial que vai escolher a agência vencedora da Concorrência 002/2007 para administrar um orçamento de quase R$ 4 milhões da Comunicação da Prefeitura de Dourados, a Comissão Permanente de Licitação resolveu se coçar. Anulou o sorteio viciado e vai realizar outro dentro dos princípios que regem as licitações públicas.

 

Subcomissão Sorteada

A Comissão Permanente de Licitação mandou publicar na edição de hoje do Diário Oficial do Município o aviso de um novo sorteio da Subcomissão Técnica, que, desta vez, deverá ser realizado sem direcionamento. Os novos integrantes serão conhecidos em sessão que acontece na quinta-feira, dia 14 de dezembro, a partir das 10h, no Departamento de Licitação da Prefeitura de Dourados.

 

 

Ardidas

 

  • Não deu certo a primeira tentativa do Promotor da 16º Promotoria de Justiça de Dourados, Ricardo Rotunno, de tentar ouvir o vereador Cirilo Ramão (PMDB) em relação às suspeitas lançadas pelo parlamentar sobre a licitação da Comunicação na Câmara de Vereadores de Dourados. Ao ser intimado, o valente Cirilo Ramão remeteu correspondência ao Ministério Público informando que não poderia comparecer à audiência na data agendada porque estaria fora de Dourados nos dias 7 e 8 de dezembro. Será que o MP já agendou outra data? Será?

 

  • O PPS do vice-prefeito de Dourados, Marisvaldo Zeuli, decidiu seguir os passos do PMDB e do PTB e fechou questão a favor da reforma da Previdência. O partido vai obrigar seus deputados a votarem favoráveis ao texto que tem como relator o deputado Arthur Maia (BA), filiado ao partido. Apesar da decisão impactar em penas que vão de advertência a expulsão de membros que votarem contra a orientação da legenda, no partido a reforma não é consenso. Na reunião do diretório nacional do partido ocorrida ontem, apenas dois deputados se colocaram a favor da mudança nas regras da aposentadoria e seis simplesmente não compareceram ao encontro.

 

  • O presidente do partido, deputado federal Roberto Freire, ex-ministro da Cultura do governo Temer, apesar de fechar questão, disse que não pedirá aos deputados para seguirem a determinação da direção do partido e lamentou as divergências. “Quero trazer para a direção nacional, da qual eles todos [deputados] fazem parte, a decisão, que é uma postura política. Ninguém quer punir ninguém, quer dizer qual a posição política deste partido. Ou nós não temos? Não é falta de respeito a direção nacional fechar questão em algo fundamental para um partido reformista”, acrescentou Freire.

 

  • Apesar de todo o esforço dedicado à aprovação da reforma da Previdência, pelo menos 124 deputados que compõe a base governista anunciaram que votarão contra a proposta, de acordo com levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo. Para ganhar tempo e tentar convencer deputados indecisos ou que já anunciaram votar contra o texto, o governo marcou a data da votação na Câmara para o dia 18 de dezembro. Ao todo, conforme levantamento, 215 deputados, dos 513, já anunciaram que não vão votar com o governo. Para aprovar a proposta na Casa são necessários 308 votos favoráveis. A reforma é uma das principais apostas do governo de Michel Temer e de sua equipe econômica e Temer tem feito promessas e intensificado a divulgação sobre o tema para reverter quadro de rejeição ao texto.