Técnico Tite muda três jogadores em relação ao time que venceu o Paraguai pelas Eliminatórias

Brasil abre Copa América contra a Venezuela neste domingo

Por Rogério Vidmantas
Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Tite muda três posições, com retornos de Alisson, Renan Lodi e Lucas Paquetá entre os titulares
 
A Copa América começa neste domingo (13) com a Seleção Brasileira em campo. Em Brasília, o time do técnico Tite faz seu primeiro jogo, às 17h (MS), contra a Venezuela, partida válida pelo Grupo B, composto ainda por Colômbia, Equador e Peru. A partida no Estádio Mané Garrincha terá transmissão pelo SBT e pela ESPN Brasil.
 
O time brasileiro fez dois treinos no Centro de Treinamentos do São Paulo após os jogos contra Equador e Paraguai pelas Eliminatórias e Tite optou por manter praticamente o mesmo time da partida em Assunção na última terça-feira (8), com três mudanças, começando com o retorno de Alisson no gol na vaga que foi ocupada por Ederson. Nas demais posições, jogam Danilo, Marquinhos, Éder Militão e Renan Lodi; Casemiro (c), Fred e Lucas Paquetá; Richarlison, Gabriel Jesus e Neymar.
 
Atual campeão da competição, o técnico Tite entende que a responsabilidade do Brasil, que já era grande, aumentou agora que o país assumiu a sede pela segunda vez seguida. “Nessa segunda parte da preparação da equipe para a Copa América, nós nos reunimos, eu e Juninho, comissão técnica, para falar dos nossos objetivos. E é, sim, a conquista da Copa América. Nós temos a responsabilidade de realizar um grande desempenho e buscar o título. Temos que assumir a nossa responsabilidade, que é essa. Vai ter exigência técnica, do grande desempenho e da busca pela vitória”, ressaltou o treinador brasileiro.
 
Oportunidade para todos
 
Depois de vencer o Equador e o Paraguai pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, Tite decidiu levar para a Copa América 24 jogadores que já estavam com a Seleção Brasileira nas duas partidas. Na entrevista deste sábado, o treinador admitiu que está aberto a fazer mais experiências durante a Copa América. "É (nosso objetivo), também, uma participação maior de atletas ao longo da competição. Isso quer dizer que vamos desestruturar a equipe? Não. Isso quer dizer que no início e no transcurso dos jogos, a preparação desses atletas, também para o Mundial, está associada ao nosso objetivo. As oportunidades (de testes na Copa América) são maiores. Quando estamos nas Eliminatórias e na Copa do Mundo, essa possibilidade de dar oportunidade é menor, porque a exigência de resultado é mais dura, é do jogo. A Copa América te permite ampliar essas possiblidades", declarou Tite.
 
Histórico
 
A Venezuela não tem sido uma adversária simples para a Seleção. Nos últimos dois confrontos, o Brasil marcou apenas um gol. Pela Copa América de 2019, um empate por 0 a 0 na fase de grupos. Pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, uma magra vitória no Morumbi, com gol de Roberto Firmino.
 
No histórico do confronto, no entanto, o Brasil leva ampla vantagem. Ao todo, foram 26 jogos entre as duas equipes, com 22 vitórias do Brasil, três empates e apenas uma derrota, sofrida em jogo preparatório em 2008. O maior artilheiro da rivalidade é Tostão, que tem seis gols marcados diante da Venezuela. No total, o Brasil já fez 90 gols na Vinotinto, que tem apenas oito tentos marcados contra a Seleção.
 

Faça um comentário

Último boletim da Prefeitura de Dourados