• Início
  • Notícias
  • Doença Inflamatória Intestinal tem redução com Alimentação Saudável e Estilo de Vida

Doença Inflamatória Intestinal tem redução com Alimentação Saudável e Estilo de Vida

De acordo com a Federação Europeia de Associações de Doença de Crohn e Colite Ulcerativa, cerca de 10 milhões de pessoas em todo o mundo vivem com doenças inflamatórias intestinais. Comemorado no dia 19 de maio, o Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal (DII)  tem por objetivo conscientizar a população.
 
As Doenças Inflamatórias Intestinais são um conjunto de sinais e sintomas que se manifestam, predominantemente, no cólon (parte do intestino cuja função é extrair água e sais minerais dos alimentos digeridos e as vitaminas K, B1 e B2 que são produzidas pelas mais de 700 espécies de bactérias que vivem nele, a chamada flora intestinal.
 
O desconforto abdominal, dor, cólicas, sensação de barriga estufada,  alternância entre períodos de diarreia e de prisão de ventre, e flatulência (gases) exagerada listam os sintomas da doença inflamatória intestinal, que  podem piorar depois da ingestão de certos alimentos, como cafeína, álcool e comidas gordurosas.
 
 
De acordo com a  nutricionista Dra. Luanna Caramalac, adotar uma alimentação saudável e equilibrada ajuda a combater a inflamação no organismo como um todo, inclusive da área intestinal.  “Com a microbiota intestinal saudável, ocorre a diminuição da passagem de substâncias mal digeridas e de toxinas à corrente sanguínea, contribuindo para diminuir a inflamação crônica,” informa a nutricionista com foco em prevenção e tratamentos de doenças crônicas degenerativas e emagrecimento saudável.
 
Para amenizar estes sintomas,  os pacientes precisam fazer mudanças na alimentação e no estilo de vida. O paciente pode passar longos períodos sem manifestações clínicas, mas o problema pode retornar, tanto por distúrbios intestinais quanto por fatores emocionais pois o intestino também envia muitas informações para o cérebro.
 
“Recomenda-se apostar em alimentos com propriedades anti-inflamatórias como vegetais, folhas, frutas, açafrão conhecido como cúrcuma, gengibre e evitar ou reduzir a ingestão de comidas gordurosas, carne vermelha, leite e derivados, embutidos, frituras, açúcares e doces em geral, farinha refinada, refrigerantes e outras bebidas gaseificadas de forma artificial. Também é necessario investir em comida de verdade, e se possível orgânica que é livre de agrotóxicos, pesticidas e fungicidas que são bem inflamatórios” finaliza a especialista.
 
 
Sobre:  
Nutricionista Dra. Luanna Caramalac Munaro – CRN - 3 49383 - atua na área da saúde integrativa com o foco em prevenção e tratamentos de doenças crônicas não transmissíveis, como: doenças autoimunes, depressão, infertilidade, câncer, diabetes, HAS, compulsão alimentar e emagrecimento.   
  
 
Pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional- VP, em Adequação Nutricional e Manutenção da Homeostase, Pós- graduanda em Nutrição Comportamental- IPGS, formação em modulação intestinal.  

Faça um comentário

Último boletim da Prefeitura de Dourados