Classificadas para etapa nacional, produções de estudantes da rede pública de 15 municípios abordam o combate ao trabalho infantil e aprendizagem profissional

Comissão define vencedores do Prêmio MPT na Escola 2021

Imagem: Divulgação
A Comissão Julgadora do Prêmio MPT na Escola de Mato Grosso do Sul divulgou, ontem (13), a relação dos trabalhos vencedores da etapa estadual do concurso. Foram selecionadas as melhores produções artístico-culturais de quatro categorias: conto, desenho, música e poesia.
 
 
Confira abaixo a relação completa das obras selecionadas e, neste link, você acessa o conteúdo dos trabalhos. Os primeiros lugares de cada categoria estão automaticamente classificados para a fase nacional do prêmio, que reúne os trabalhos vencedores de outros estados do país.
 
 
A premiação é um incentivo à adesão da comunidade escolar na luta do Ministério Público do Trabalho pela erradicação do trabalho infantil. Neste ano, estudantes do ensino fundamental da rede pública de 15 municípios sul-mato-grossenses estiveram envolvidos no projeto.
 
 
Os estudantes da 4ª e 5ª séries do ensino fundamental desenvolveram produções relacionadas ao tema trabalho infantil, e expressaram o que sentem sobre as causas, consequências, enfrentamento e ações de prevenção.
 
Já os alunos das 6ª e 7ª séries puderam explorar a profissionalização do adolescente e a aprendizagem profissional, instrumento legal que permite a jovens a partir dos 14 anos ter um emprego formal.
 
 
A Comissão Julgadora desta edição do Prêmio MPT na Escola foi composta pela analista do MPT, Mara Almeida Costa, a coordenadora pedagógica do Instituto Mirim de Campo Grande, Neuma Moraes de Almeida Macedo, e o jovem aprendiz Samuel Rebeca Júnior.
 
 
Procuradora-chefe do MPT-MS e gerente nacional do projeto MPT na Escola, Cândice Gabriela Arosio destaca a qualidade dos trabalhos inscritos, demonstrando que o objetivo maior da iniciativa – conscientizar crianças e famílias sobre as mazelas do trabalho infantil – vem sendo alcançado.
 
 
“Infelizmente, nossa sociedade ainda não enxerga que inúmeras práticas banalizadas configuram trabalho infantil, e perpetuam um ciclo de vulnerabilidade, impedindo que gerações de cidadãos permaneçam sem acesso à educação de qualidade ou ao trabalho decente. O MPT na Escola visa romper com esta cultura, tendo na criança e no adolescente, e nos professores e professoras, os grandes agentes mobilizadores desta mudança de percepção”, avalia a procuradora, que também é coordenadora de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente do MPT-MS.
 
 
A teia do combate ao trabalho infantil
 
O MPT na Escola é a versão nacional de uma iniciativa que teve início no Ceará em 2008, o Peteca, e graças à adesão das secretarias de educação, está presente desde 2012 nos municípios de Mato Grosso do Sul. A iniciativa já mobilizou mais de 350 mil estudantes e outros 23 mil profissionais de ensino em todo o país.
 
 
O projeto tem como objetivo central levar o ECA para o ambiente das salas de aula e, já na primeira infância, conscientizar meninos e meninas sobre o trabalho infantil. Para isso, o MPT conta com o apoio primordial de toda a comunidade escolar, com foco nos professores e nas professoras, que são os grandes agentes da promoção e sensibilização dos alunos e alunas.
 
 
A instituição promove a capacitação periódica de toda a equipe da instituição de ensino participante do projeto, como técnicos das secretarias, diretores, coordenadores e docentes, além de fornecer kits e materiais pedagógicos que norteiam e viabilizam a inserção do MPT na Escola na rotina pedagógica.
 
 
O projeto é desenvolvido em cinco etapas. A primeira delas se caracteriza pela capacitação de um técnico da secretaria municipal de Educação, que vai atuar como coordenador daquele local. Essa fase, conduzida pelos procuradores do Trabalho da Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Coordinfância), é marcada por palestras, exibição de vídeos, dinâmicas e debates sobre o conceito de trabalho infantil, os mitos e as concepções equivocadas sobre o assunto e as consequências dessa prática no futuro das crianças.
 
 
Em seguida, são capacitados os coordenadores pedagógicos das escolas selecionadas (segunda etapa) e os professores (terceira etapa). Estes, por sua vez, irão abordar em sala de aula, diretamente com os alunos, os temas propostos (quarta etapa), incentivando-os a realizarem trabalhos que permitam uma avaliação dos resultados da ação (quinta etapa).
 
 
Para coroar todo esse processo e reconhecer o empenho de alunos e professores, é realizado o Prêmio MPT na Escola, que seleciona os melhores trabalhos literários, artísticos e culturais dos estudantes das instituições de ensino que integram o projeto em todo o Brasil.
 
 
Veja aqui a relação dos trabalhos vencedores:
 
 
Trabalhos inscritos das 4º e 5º séries
Tema: Trabalho infantil
 
 
Música
 
Aluno: Kayo Henrique Rodrigues Cruz, da 4ª série
Escola: EM Cláudio José de Lima, de Camapuã
Título: Somos estudantes vencedores
 
 
Poesia
 
Aluna: Joicy Carneiro de Souza, da 5ª série A
Escola: EM Alcino Carneiro, de Alcinópolis
Título: Trabalhar não é coisa de criança
 
 
Desenho
 
Aluna: Renner Fogaça Tomazeli, da 4ª série B
Escola: EM Alcino Carneiro, de Alcinópolis
Título: Criança não pode trabalhar!
 
 
Conto
 
Aluna: Gabrielly Barros da Silva, da 5ª série A
Escola: EM Cícero Reinaldo da Silva, de Deodápolis
Título: Pedro, o sonhador
 
 
Trabalhos inscritos das 6ª e 7ª séries
Tema: Profissionalização do adolescente e Aprendizagem profissional 
 
 
Música
 
Aluna: Maria Eloisa Moraes dos Santos, da 7ª série
Escola Municipal Marechal Rondon, de Naviraí
Título: Menino
 
 
Poesia
 
Aluno: Rafael Pereira Alencar, da 7ª série B
Escola: EM Dr. Cássio Leite de Barros, de Corumbá
Título: Jovem Aprendiz
 
 
Desenho
 
Aluna: Débora Sara Bruno Mariscal, da 6ª série
Escola: EM Rural de Educação Integral Eutrópia Gomes Pedroso, de Corumbá
Título: Profissionalização do adolescente
 
 
Conto
Aluno: André Vinícius do Carmo Passos, da 7ª série A
Escola: EM Cássio Leite de Barros
Título: A missão

Faça um comentário

Último boletim da Prefeitura de Dourados