• Início
  • Notícias
  • Foco dos EUA no Afeganistão é retirar americanos e aliados, diz Biden

O presidente dos EUA, Joe Biden, falou nesta sexta (20) sobre a retirada de americanos do Afeganistão

Foco dos EUA no Afeganistão é retirar americanos e aliados, diz Biden

G1
Imagem: Manuel Balce Ceneta/AP Photo
O presidente americano Joe Biden disse nesta sexta-feira (20), em pronunciamento na Casa Branca, que a prioridade americana neste momento no Afeganistão é tirar seus cidadãos e os aliados locais do país, para garantir sua segurança em meio à tomada do poder pelo grupo extremista Talibã.
 
"Não se enganem, esta missão de retirada é perigosa. Não posso prometer qual será o resultado final, mas, como comandante-em-chefe, posso garantir que vou mobilizar todos os recursos necessários", afirmou Biden.
 
Ele afirmou que o país fez "progresso significativo" nos últimos dias: ele e citou a segurança do aeroporto de Cabul, o que pode contribuir para a retirada.
 
"Aos afegãos que serviram conosco, que foram a combate conosco, como intérpretes e tradutores, peço que aguardem, vocês têm o comprometimento dos EUA", disse ele.
 
Biden citou que o governo retirou 204 jornalistas nesta semana e que aumentou o número de pessoas que estão ajudando a sair do país
 
 
"Não sabemos o número exato de americanos que estão lá", afirmou ele.
 
 
Acordos com o Talibã
 
Em diversos momentos, Biden afirmou que há um acordo com o Talibã que garante que os norte-americanos não serão atacados. "Deixamos claro ao Talibã que qualquer ataque vai ter uma resposta de força. Vamos olhar qualquer ameaça de terrorismo, inclusive das pessoas afiliadas ao Estado Islâmico que saíram das prisões recentemente --no Afeganistão, o Estado Islâmico é inimigo declarado do Talibã", disse ele.
 
 
Quantos já saíram?
 
Mais de 18 mil pessoas foram retiradas de avião de Cabul desde que o Talibã tomou a capital do Afeganistão, disse uma autoridade da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) nesta sexta-feira (20).A Otan prometeu dobrar os esforços para retirar gente do país. Há muitas críticas à maneira como o Ocidente -- em especial, os Estados Unidos -- tem lidado com a crise.
 
A Otan pediu aos talibãs que permitam a retirada dos afegãos que desejam abandonar o país e prometeu que os aliados manterão uma "estreita cooperação" durante a operação.
 
Os ministros das Relações Exteriores da Aliança Atlântica realizaram uma reunião de emergência para analisar a situação no Afeganistão e os planos de retirada de pessoas.
 
"Pedimos a quem estiver na posição de autoridade no Afeganistão para respeitar e facilitar a marcha ordenada e segura, também através do aeroporto internacional Hamid Karzai de Cabul", disseram os 30 ministros da Otan em seu comunicado conjunto.
 
"Enquanto a operação de retirada continuar, manteremos nossa estreita coordenação operacional com os meios aliados" no aeroporto, acrescentaram.
 
Nesta quinta, em uma entrevista à rede ABC, o presidente americano disse que o Talibã precisa decidir se quer ser reconhecido pela comunidade internacional, acrescentando que não acredita que o grupo tenha alterado suas crenças fundamentais.
 
Indagado se acha que o Taliban mudou, Biden respondeu à ABC News: "Não".
 
"Acho que eles estão passando por uma espécie de crise existencial: será que eles querem ser reconhecidos pela comunidade internacional como um governo legítimo? Não tenho certeza se querem", disse, acrescentando que o grupo parece mais comprometido com suas crenças.
Mas ele também disse que o Talibã tem que mostrar se consegue cuidar dos afegãos.
"Eles também se importam se eles têm alimento para comer, se têm uma renda que... possa impulsionar uma economia, eles se importam se conseguem ou não manter unida a sociedade com que dizem se importar tanto", disse Biden na entrevista gravada na quarta-feira. "Não estou contando com nada disso."
 
 
Ele também acrescentou que será preciso pressão econômica e diplomática --e não força militar-- para garantir os direitos das mulheres.

Faça um comentário

Último boletim da Prefeitura de Dourados