Com ICMS maior, gasolina sobe até 35 centavos em postos

Diretor do Procon municipal promete fiscalizar postos esta semana para verificar se houve aumento abusivo

 

Da REDAÇÃO

 

Posto de combustíveis localizado na Avenida Marcelino Pires vendia gasolina comum a R$ 4,699 ontem . Foto: Helio de Freitas

Muitos donos de postos de combustíveis de Dourados seguiram o exemplo dos colegas de Campo Grande e aumentaram o preço da gasolina ontem, mesmo tendo comprado o produto ainda com alíquota de 25% de ICMS. Ontem entrou em vigor a lei estadual que aumentou em cinco pontos percentuais a alíquota da gasolina (passou de 25% para 30%) e reduziu de 25% para 20% a alíquota sobre o etanol.

A reportagem percorreu as avenidas Hayel Bon Faker, que corta a cidade de norte a sul, a Avenida Marcelino Pires, a principal de Dourados, e a Avenida Coronel Ponciano. A grande maioria dos postos aumentou o preço da gasolina em média em 24 centavos, mas teve estabelecimento que subiu o preço em até 35 centavos.

No posto onde foi verificado o maior aumento, localizado na Hayel Bon Faker, no Jardim Água Boa, a gasolina comum passou de R$ 4,499 no dia 13 de janeiro para R$ 4,849 ontem. O posto até vende o produto por R$ 4,74, mas só para pagamento em dinheiro.

Em outro posto da Hayel Bon Faker, mas no Jardim Santo André, o litro da gasolina passou de R$ 4,46 no dia 13 de janeiro para R$ 4,69 nesta quarta-feira, 23 centavos de aumento. Se o pagamento for com cartão de crédito, o preço sobe 20 centavos.

No posto localizado no cruzamento da Marcelino Pires com a Rua dos Missionários, o litro da gasolina comum saltou de R$ 4,469 no dia 13 de janeiro para R$ 4,699 ontem. Os valores de janeiro usados como referência foram apontados na pesquisa mensal do Procon. De lá para cá não houve aumento dos combustíveis.

Mas o ímpeto para aumentar o preço da gasolina não foi o mesmo para reduzir o valor do etanol. Apesar de a alíquota de ICMS ter caído cinco pontos percentuais desde ontem, em todos os postos visitados pela reportagem nesta quarta, o valor continuava exatamente o mesmo apontado na pesquisa feita pelo Procon no dia 13 do mês passado – de R$ 3,51 a R$ 3,999.

O diretor do Procon municipal Antonio Marcos Marques disse que ainda nesta semana os fiscais vão para as ruas, para verificar os preços. “Vamos conferir as notas de compra da gasolina. Se a compra foi feita ainda com a alíquota antiga, não tem motivo para aumento e neste caso cabe aplicação de multa”, afirmou. Segundo ele, até ontem o Procon não tinha recebido denúncia de aumento abusivo após entrar em vigor a nova alíquota de ICMS.