Chances de Brexit com acordo “estão melhorando”, afirma Boris Johnson

Primeiro-ministro do Reino Unido disse que humor dos europeus mudou, mas sinalizou que, caso não ocorra uma saída amigável, os britânicos não deverão pagar a multa de € 39 bilhões ao bloco.

 

Por G1 Mundo

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse neste domingo (25) que as chances de um acordo com a União Europeia estão melhorando, mas que o desfecho ainda é incerto sobre como os britânicos sairão do bloco no dia 31 de outubro, data limite dada pelos europeus para o rompimento.

Apesar de reconhecer uma mudança de humor da UE nas negociações, Johnson sinalizou que, se o Brexit ocorrer sem acordo, a multa de € 39 bilhões que o Reino Unido deveria pagar aos europeus pode não ser quitada.

“É certamente verdade que os € 39 bilhões não são mais, estritamente falando, devidos”, disse o primeiro-ministro, durante o segundo dia da cúpula do G7, na França.

Boris Johnson disse ainda que os britânicos poderão facilmente lidar com um cenário sem negócio com a União Europeia e que acha “altamente improvável” que haja escassez de alimentos.

IRLANDA DO NORTE É PONTO DE DISCÓRDIA

No sábado (24), o primeiro-ministro britânico e o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, trocaram declarações sobre o Brexit. Tusk disse que não iria cooperar com uma saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo.

Horas depois, Johnson rebateu que, se o líder europeu não quisesse ficar conhecido como “Mr. No Deal” (Senhor Sem Acordo, em tradução livre), a UE deveria renegociar com os britânicos.

O principal ponto de divergência está no mecanismo chamado “backdrop”, um dispositivo previsto no tratado de Brexit para a fronteira irlandesa, entre a parte da ilha que faz parte do Reino Unido e a República da Irlanda que é membro da UE.

Prevê que, na ausência de uma melhor solução após um período de transição, e para evitar o regresso de uma fronteira entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda, todo o Reino Unido permanecerá num “território aduaneiro único” com a UE.

Boris Johnson estima que este dispositivo mina a “soberania do Estado britânico” e impede que conduza uma política comercial independente das regras da UE.

ACORDO EUA-REINO UNIDO

Boris Johnson disse ainda que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ficou muito entusiasmado com a chance de um acordo comercial com o Reino Unido.

Johnson acredita que será difícil cumprir o desejo dos Estados Unidos de fazer um acordo comercial pós-Brexit com o Reino Unido dentro de um ano.

Johnson, que assumiu o cargo no mês passado, teve sua primeira reunião bilateral com o presidente dos EUA, Donald Trump, no domingo, na reunião do G7 na França, e os dois discutiram uma série de questões, incluindo o comércio.

Em entrevistas à mídia televisiva britânica, Johnson disse que os Estados Unidos queriam fazer um acordo dentro de um ano da saída da Grã-Bretanha da UE em 31 de outubro.

“Anos e anos são um exagero, mas fazer tudo dentro de um ano será apertado”, disse ele à BBC TV.