Diário MS
Get Adobe Flash player

Trump recebe premiê israelense na Casa Branca

France Presse

O presidente americano Donald Trump recebeu nesta quarta-feira (15) o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu na Casa Branca, em Washington. Após a reunião, os dois líderes darão uma coletiva de imprensa.

Netanyahu deixou Israel nesta segunda-feira para encontrar Trump e confrontar suas promessas de campanha com a realidade atual da política em desenvolvimento na Casa Branca. Netanyahu e seu governo, considerado o mais à direita da história de Israel, viram na vitória de Trump o início de uma nova era após oito anos de tensões com a administração Obama.

“Em Washington, Benjamin Netanyahu irá testar a sua margem de manobra sobre a colonização”, afirmou à AFP Marc Heller, cientista político do Instituto de Estudos de Segurança Nacional (INSS).

Assentamentos na Cisjordânia

Desde que tomou posse, Trump suavizou suas declarações de campanha, nas quais a direita israelense e alguns ministros do governo encontraram um incentivo para exigir uma colonização irrestrita e a anexação da Cisjordânia ocupada.

Pressionado pela direita e confrontado a investigações da polícia por supostos atos de corrupção, Netanyahu anunciou, em 20 de janeiro, a construção de mais de 5.000 casas na Cisjordânia e o primeiro novo assentamento promovidos pelo governo em mais de 20 anos.

Após se manter em silêncio por duas semanas, a Casa Branca acabou por estabelecer limites.

Na sexta-feira, em um jornal israelense, o próprio Trump declarou que não acredita que a expansão dos assentamentos seja “bom para a paz”. Na mesma entrevista, o presidente americano afirmou que desejava um acordo “bom para todas as partes”, mas que para isso israelenses e palestinos devem ser “razoáveis”.

A mensagem é a de que Trump assinou um cheque em branco ao aliado israelense e pretende guardar suas opções para presidir um acordo, dizem os especialistas.

“Em três semanas, Donald Trump empregou discursos diferentes, é preciso agir com cautela”, sugere Michael Oren, vice-ministro da diplomacia no gabinete do primeiro-ministro.

Estas observações são direcionadas ao ministro da Educação, Naftali Bennett, líder do partido religioso Lar Judeu e que lidera as reivindicações pela colonização e anexação.

No sábado, ele pediu abertamente ao primeiro-ministro que aproveite uma “oportunidade histórica” para informar Trump que já não apoia a criação de um Estado palestino que coexista com Israel, solução de dois Estados que é defendida pela comunidade internacional.