Banner São Bento

Straight Flush: secretário de Saúde contraria ordem judicial e ataca jornalista

compartilhe:

Malagueta – 30/11

 

Destempero do Secretário

O secretário municipal de Saúde de Dourados, Renato Vidigal, encontrou uma forma de justificar sua incompetência de não conseguir fornecer medicamentos para pacientes, nem mesmo com ordem judicial: está indo para o confronto nas mídias sociais com os cidadãos que reclamam. A vítima da vez foi o jornalista Vanderlei Mendonça de Aguiar que provocou a ira do competente secretário ao postar o seguinte texto no Facebook: nós, doentes que precisam contar com a boa vontade dos governos federal, do Estado e municipal estamos abandonados à nossa própria sorte. Além de não recebermos a medicação determinada pela Justiça, não tempo onde reclamar. A própria Justiça nos dá às costas e faz vistas grossas à desobediência dos governantes que segundo as leis correm o risco de perda de mandato com tal atitude. É vergonhoso ser brasileiro nessas circunstâncias… ou morre ou morre!

 

Ataques Gratuitos

O ler o texto, Renato Vidigal deve ter se imaginado numa mesa de pôquer e mandou um Straight Flush para cima do cidadão. Contrariando a ordem judicial, o secretário escreveu: quem sabe um dia o Brasil torne-se justo e os remédios sejam distribuídos a realmente quem precisa: os verdadeiros usuários do SUS. Quem sabe um dia pessoas da elite deem preferência aos mais necessitados ao invés de pensar no próprio umbigo.

 

Reclama no Judiciário

O secretário precisa entender que atacar o cidadão ao invés de cumprir uma ordem judicial é totalmente contrário ao ordenamento jurídico. Ao invés de classificar o cidadão como elite para tentar justificar sua incompetência, Renato Vidigal deveria bater às portas do Poder Judiciário para questionar a decisão do magistrado que determinou ao município o fornecimento da medicação. Ademais, o SUS é de todos os brasileiros, inclusive da elite.

 

Jogada Errada

Certamente, o intrépido secretário deve ter sido seduzido pela ludomania e imaginou que estivesse com uma Royal Straight Flush nas mãos ao atacar o cidadão que apenas reclamou da desobediência da Prefeitura de Dourados a uma ordem judicial. A situação é ainda mais crítica porque o caso do jornalista Vanderlei Aguiar é apenas um entre as centenas de ações judiciais com obrigação de fazer que a Secretaria Municipal de Saúde está ignorando. Espia só!

 

Vereador Vigilante

Será que o ex-chefe de Gabinete do então vereador Paulo Henrique Bambu e que acabou herdando o espólio político do irmão de fé para ganhar um mandato já encontrou alguma irregularidade nos contratos da Câmara Municipal de Dourados? O vigilante Cirilo Ramão chegou a insinuar ilegalidade da licitação da Comunicação do Legislativo Municipal e agora terá que se explicar a quem de direito.

 

Vereador Interpelado

Há quem jure de joelhos que o fiscalizador Cirilo Ramão será interpelado a explicar que ilegalidades ele encontrou na licitação, já que a insinuação feita em discurso na tribuna atinge, inclusive, o Ministério Público Estadual que foi convidado pela presidência da Câmara de Vereadores a participar de perto das etapas do certame. Vai vendo.

 

Contra Douradense

Diz a lenda que o vereador Sérgio Nogueira (PSDB) não gostou nada de saber que uma empresa douradense venceu a licitação da Comunicação da Câmara de Dourados. O tucano teria dito que se a Casa de Leis assinar o contrato com a vencedora do certame, que foi inclusive acompanhado pelo Ministério Público, ele renunciaria ao cargo na Mesa Diretora. Por certo, o douradense torcia por alguma agência de fora. Espia só!

 

Ferroeste no Vinagre

Ainda que não mereça muito crédito, o deputado federal Vander Loubet (PT) distribuiu release ontem alertando que o governo federal cortou R$ 147 milhões em emendas parlamentares coletivas que a bancada federal havia garantido para Mato Grosso do Sul no Orçamento Geral da União (OGU) de 2018. Pela leitura apresentada pelo petista, o tal projeto do Ramal da Ferroeste, que levou um voo-da-alegria de Dourados para São Paulo na terça-feira, rodou com os cortes.

 

Fora dos Trilhos

Vander Loubet jura que entre os investimentos vetados pelo presidente Michel Temer (PMDB) estão a construção do anel rodoviário em Três Lagoas, ligando a BR-262 a MS-158; o ramal da Ferroeste interligando Maracaju, Dourados, Mundo Novo a Cascavel (PR); da ponte internacional sobre o rio Paraguai, ligando Porto Murtinho ao Paraguai, na BR-267, além de obras de manutenção de rodovias federais.

 

Esqueceu de Pagar

Tem empresa de fotografia e filmagem com ampla história em Dourados que está esperando a visita de vereador de uma importante cidade do interior de Mato Grosso do Sul. O combativo e fiscalizador parlamentar contratou o estúdio para registrar toda festança da filha e até ontem não havia quitado a conta com o retratista. Será que esse vereador é o mesmo que a esposa foi funcionária fantasma, com salário de quase R$ 2.500,00 na Câmara Municipal? Será?

 

Vereador Perseguido

A coluna informou ontem que projeto do vereador Madson Valente (DEM) que tinha cunho exclusivamente educacional na área ambiental foi integralmente vetado pela prefeita Délia Razuk atendendo pedido do líder do Executivo, vereador Júnior Rodrigues (PR). O vereador repercutiu a nota: caro jornalista, agradeço-lhe pelas referências e pela observação com relação ao projeto de lei 011/2017 que visava determinar o mês de junho como “JUNHO VERDE” e que foi aprovado por unanimidade, cujo propósito seria ampliar as discussões ambientais em nosso município, portanto projeto de cunho ambiental, educacional e social.

 

Veto Injustificável

Segundo Madson Valente, tecnicamente o veto deveria ser parcial conforme análise que explanei aos vereadores no parlamento e não veto integral, mesmo oficialmente o Executivo não tendo razões para justificar o veto e também pela ausência de constatação da ampla base da prefeita. Ainda assim, o líder da prefeita de forma sumária ordenou a base que o veto fosse mantido.

 

Explicando o Projeto

Segue Madson: por não se tratar do projeto enviado pelo Executivo, acredito que os colegas vereadores deveriam considerar e fazer os julgamentos técnicos e não análise da minha posição no parlamento. “Reafirmo que minhas posições estão baseadas em convicções, que continuarei exercendo minha função e obrigação de vereador, denunciando o abandono da zona rural, o caos da Educação e da Saúde, sendo voz autêntica em defesa de Dourado”, enfatizou.

 

Benemérito Douradense

Quem anda rindo de orelha a orelha com a decisão do governo do Estado de autorizar a licitação das obras do Hospital Regional de Dourados é o empresário Adão Parizzoto. Com a jogada de mestre, ele vai poder lotear todo o entorno do futuro hospital e ganhará de presente toda infraestrutura de acesso ao futuro bairro, bem como redes de água, energia e de esgoto. Se bobear, os terrenos já serão lançados valendo R$ 100 mil pela posição geográfica e pelo fato de o loteamento abrigar o maior hospital do interior de MS. É muita bondade!

 

Ardidas

  • O voo-da-alegria entre Dourados e São Paulo na última terça-feira para gravação de mais um capítulo da novela sobre os trilhos da Ferroeste, deu ruim para alguns integrantes da base da prefeita na Câmara Municipal. O vereador Romualdo Ramim (PDT), por exemplo, não gostou nada de ter ficado de fora da comitiva municipal e quando foi informado que não haveria mais espaço na aeronave que tem capacidade para 12 pessoas, chegou a requerer o assento do copiloto, mas não deu certo. Ele ficou em Dourados e viu vereador que vota contra o Executivo decolando feliz no voo-da-alegria rumo à São Paulo. É mole?

 

  • Enquanto o Brasil vende para sua população uma das gasolinas mais caras do mundo em virtude do exagero da carga tributária, a Câmara dos Deputados aprovou por 208 votos a 184, o texto-base da Medida Provisória que concede benefícios fiscais a empresas petrolíferas que atuarão em blocos das camadas pré-sal e pós-sal, inclusive por meio de isenções para importação de máquinas e equipamentos. Apelidada de “MP do Trilhão” – por supostamente impor perdas da ordem de R$ 1 trilhão à União nos próximos 25 anos, em decorrência da isenção fiscal –, a medida isenta de taxas de importação, entre outras providências, produtos, projetos e serviços sob responsabilidade de empresas estrangeiras com interesses nos campos de petróleo brasileiros.

 

  • Estudos produzidos pelas consultorias legislativa e de orçamento da própria Câmara dos Deputados revelam a redução e até isenção total de impostos contidas na MP 795/2017, que beneficia petrolíferas até 2040, significa uma renúncia fiscal de R$ 40 bilhões ao ano, o equivalente a R$ 1 trilhão nos próximos 25 anos. Ainda segundo o estudo, as regras definidas no mais recente leilão da Agência Nacional do Petróleo (ANP), realizado em 27 de outubro, reduzirão os ganhos decorrentes da exploração do petróleo em relação ao pregão promovido há quatro anos no campo de Libra – parcela desse dinheiro compõe o financiamento dos setores de educação e saúde.

 

  • Ao invés de garantir isenção fiscal de um trilhão de reais para multinacionais do petróleo, o governo federal deveria parar de meter a mão no bolso do contribuinte, como fez recentemente ao o presidente Michel Temer ao assinar decreto aumentando as alíquotas de PIS/Cofins sobre combustíveis para gerar receita adicional de R$ 10,4 bilhões em 2017. A canetada elevou em cerca de R$ 0,50 o preço do litro da gasolina para o consumidor final, ou seja, o mesmo governo que penaliza seus cidadãos não pensa duas vezes para aliviar a carga fiscal para multinacionais do petróleo.
CORPAL
VIA MAX
Luau Indaiá-SAFETY

WHATSAPP DIÁRIO

Logo whatsapp Diario MS