Banner São Bento

Sem poder fiscalizar o Executivo, vereador vai fiscalizar a Câmara

compartilhe:

Malagueta – 29/11

Fiscalizando o Legislativo

Sem independência, coragem e moral para fiscalizar os atos do Poder Executivo, o combativo vereador Cirilo Ramão (PMDB) decidiu inverter os papeis e subiu à tribuna da Câmara Municipal na sessão da última segunda-feira para anunciar que agora vai investigar todos os contratos do Poder Legislativo. É mole? A coluna apurou que o vereador ficou nervosinho porque não conseguiu convencer a presidente da Casa, Daniela Hall (PSD) a devolver antecipadamente parte do duodécimo que está sobrando na contabilidade da Câmara Municipal. Seria isso uma chantagem? O dinheiro seria usado pela prefeita Délia Razuk (PR) para pagar dívidas da Fundação Municipal de Saúde e para fazer caixa para o pagamento do décimo terceiro salário dos servidores municipais. Como tem até o dia 15 de fevereiro para devolver o duodécimo e já sinalizou que não fará isso antes do prazo, a vereadora Daniela Hall virou alvo do pastor Cirilo Ramão. Aleluia!

Caçador de Uragano

O combativo pastor-vereador disse que iria analisar cada contrato firmado pela Mesa Diretora da Câmara Municipal porque teria ouvido boatos dando conta que pessoas investigadas durante a Operação Uragano estariam por trás de empresas prestadoras de serviço ao Legislativo. “Vou analisar a fundo cada um desses contratos e se encontrar irregularidade vou ajudar a senhora a denunciar os envolvidos”, vociferou Cirilo Ramão.

Uragano Cassado

A palavra “uragano” foi usada várias vezes pelo vereador durante o discurso que foi gravado e transmitido ao vivo. Faltou alguém com um pouco de perspicácia lembrar que o pastor-vereador Cirilo Ramão era chefe de gabinete do também irmão de fé Paulo Henrique Bambu quando o então vereador também foi preso pela Operação Uragano. É engraçado ver um ex-empregado de uragano criticando outros uraganos. Quem tem telhado de vidro…

Sugestão de Trabalho

Se quisesse cumprir o real papel de vereador, o pastor Cirilo Ramão poderia, por exemplo, cobrar explicações do Poder Executivo Municipal onde e como foram aplicados os R$ 7.584.640,18 repassados pelo governo do Estado para cobrir despesas com a saúde somente neste ano. O dinheiro deveria ter sido usado em despesas da UPA, Hospital da Vida, Samu, ESF e Serviço de Combate às Endemias. Pergunta lá Cirilo!

Dinheiro do Fundersul

O combativo Cirilo Ramão também poderia perguntar ao Executivo Municipal como foram investidos os R$ 4.048.202,86 que o governo do Estado repassou entre fevereiro e setembro referentes ao Fundo de Manutenção e Recuperação do Sistema Rodoviário de Mato Grosso do Sul (Fundersul). Foram R$ 3.366.177,53 do Fundersul Combustível e outros R$ 667.464,42 do Fundersul Agropecuária. Pergunta lá Cirilo!

Postos de Combustíveis

Com o litro da gasolina sendo vendido a quase R$ 4,40, explorar posto de combustível em Dourados deve ser um excelente negócio. Tanto que a Câmara de Vereadores decidiu dar uma força e aprovou em primeira votação o projeto do vereador Braz Melo (PSC) que acaba com a proibição de construção de postos de gasolina menos de 1.000 metros distantes do outro. Com isso, Dourados agora poderá ter um posto colado no outro, igual acontece com as farmácias.

Faturando Gasolina

Mesmo não entendendo a motivação do vereador Braz Melo, os colegas que formam a bancada da prefeita Délia Razuk embarcaram na aventura e votaram a favor da Lei que vai contribuir para a proliferação de postos de gasolina, para contaminação do lençol freático, para o despejo de poluentes nos mananciais, enfim, está claro que falta muita coisa em Dourados, menos posto de gasolina. Será que foi a pedido? Será?

Polícia Ambiental

A coluna publicou ontem nota cobrando das autoridades de segurança pública uma manifestação sobre a situação da Polícia Militar Ambiental (PMA) em Dourados, Batalhão responsável por fiscalizar e impedir crimes ambientais em mais de 30 municípios da região e que estaria, segundo reclamação dos próprios militares, sucateada, sem viaturas, com efetivo reduzido e sem condições de trabalho.

Resposta Ambiental

Ainda ontem, o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), José Carlos Barbosinha, entrou em contato com a Malagueta para afirmar que as informações contidas na coluna não representavam a realidade do Batalhão da Polícia Militar Ambiental de Dourados. Barbosinha ressaltou que todas as unidades da PMA no Estado estão sendo devidamente atendidas e têm totais condições de realizar o trabalho de fiscalização.

Comandante na Linha

Mais tarde, o próprio comandante-geral da Polícia Militar Ambiental, tenente-coronel Jeferson Vila Maior, entrou em contato com a Malagueta para garantir que não existe qualquer problema com o Batalhão da PMA em Dourados. Ele classificou a unidade como a melhor e mais bem aparelhada do Estado, tanto que o efetivo é usado para ações durante a piracema na Cabeceira do Apa, Bonito e Porto Murtinho.

PMA Equipada

Ainda segundo o tenente-coronel Vila Maior, a PMA de Dourados conta com 4 viaturas, tem base fixa no Parque Estadual Várzea do Rio Ivinhema, possui embarcações para suas operações nos rios da região e não padece de falta de combustível. Todas as despesas, garante Vila Maior, são pagas através de convênios firmados com outros organismos, inclusive a Cesp, de São Paulo.

Viaturas da PMA

O tenente-coronel Vila Maior afirmou ainda que em janeiro serão adquiridas mais viaturas para a Polícia Militar Ambiental e que a frota de Dourados ganhará novos reforços. Por último, o comandante da PMA atribuiu as críticas a alguém “que tenha interesse em desgastar o governo em ano pré-eleitoral”. Então tá…

Vereador Perseguido

O vereador Madson Valente (DEM) está pagando caro por ser oposição ao governo municipal na Câmara de Dourados. Projeto do parlamentar que tinha cunho exclusivamente educacional na área ambiental foi integralmente vetado pela prefeita Délia Razuk atendendo pedido do líder do Executivo, vereador Júnior Rodrigues (PR). Tipo assim: aprovar lei para encher a cidade de postos de combustíveis pode, mas para educação ambiental nas escolas não pode!

Ardidas

• Sem a tradicional decoração do “Dourados Brilha”, as famílias douradenses começam a investir em iluminação para manter viva a chama do Natal. Vale a pena ver alguns imóveis residenciais que estão proporcionando um verdadeiro espetáculo. Uma dessas casas, localizadas na Rua Melvin Jhones, por exemplo, já está atraindo famílias inteiras que levam as crianças para se encantarem com a decoração. Tomara que os comerciantes, mesmo em tempo de crise, façam o mesmo nas vitrines das lojas para tornar o comércio menos triste neste Natal depois de 6 anos de sucesso do projeto Dourados Brilha.

• A vida do tucano Aécio Neves não anda fácil. Depois de perder a presidência nacional do PSDB, o senador ficou sabendo que a Polícia Federal encontrou indícios que ele usava linhas de celulares registradas em nome de outras pessoas para fugir do grampo e fazer ligações sigilosas. Os aparelhos foram apreendidos no dia 18 de maio, durante operação de busca e apreensão realizada pela PF em apartamento do parlamentar no Rio de Janeiro. De acordo com a PF, o senador utilizava dois telefones em nome de laranjas, sendo pessoas fora de suspeitas, que não seriam alvos de investigações. Na ocasião, um dos telefones foi encontrado na sala de TV e o outro no “Closet” do imóvel de Aécio Neves em Ipanema (RJ).

• Um dos donos dos celulares usados pelo senador mineiro é Laércio de Oliveira, agricultor que trabalha no cultivo de café em fazendas no interior de Minas. Já o outro é Mitil Ilchaer Durao, montador de andaimes com endereço registrado no Espírito Santo. Os dados foram revelados a pedido da PF pelas operadoras TIM e Vivo. Em maio, a PF apresentou relatório com pertences e indícios encontrados nas buscas que tinham como alvo o senador. Na ocasião, a PF informou que encontrou um bloqueador de sinal telefônico, uma lista de indicações para cargos federais e anotações manuscritas, dentre elas a inscrição “cx 2”

• Agora vai: em depoimento à Polícia Federal, o ex-assessor Job Ribeiro Brandão afirmou que usou dinheiro de origem não declarada de Geddel Vieira Lima em seis prédios de alto luxo em Salvador. As informações constam do relatório final da Polícia Federal anexado ao inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar a origem dos R$51 milhões apreendidos num apartamento usado por Geddel em Salvador. O ex-assessor declarou que Marluce Vieira Lima, mãe do ex-ministro, e Patrícia, mulher do deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), o orientaram a destruir provas sobre a movimentação financeira.

CORPAL
Jeep
Luau Indaiá-SAFETY

WHATSAPP DIÁRIO

Logo whatsapp Diario MS