Banner São Bento

Padre tapa buraco em rua de Dourados

compartilhe:

Malagueta – 01/11

Câmara Desvendada

Esquema de empréstimos consignados fraudulentos na Câmara Municipal de Dourados, denunciado por este jornalista em 2011 e que acabou motivando uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), começa a tirar o sono do vereador Idenor Machado (PSDB). O promotor Ricardo Rotunno, titular da 16ª Promotoria de Justiça em Dourados, agora acusa Idenor, então presidente da Câmara de Vereadores na época da Operação Câmara Secreta, de improbidade administrativa. Se depender da vontade do promotor de Justiça, o tucano terá que pagar R$ 669 mil por danos morais coletivos e multa por ter, segundo o MPE, determinado a exclusão de dados do sistema de informação da Câmara para impossibilitar o acesso do Ministério Público Estadual às informações que comprovariam a prática dos crimes apurados pela Câmara Secreta.

Empréstimo Consignado

A coluna foi procurada em 2011 por um ex-comissionado da Câmara de Vereadores que teria sido obrigado a fazer empréstimo consignado em seu nome e, na sequência, repassar o dinheiro levantado junto ao então Banco Santander, ao vereador que o havia nomeado. O camarada havia sido contratado por R$ 1.200 e tinha um holerite de R$ 3.500 para conseguir fazer o empréstimo consignado.

Sobrou o Consignado

Após um desentendimento com o patrão, o contrato foi exonerado e herdou as parcelas do consignado para pagar. Como não tinha condições de arcar com a dívida, ele procurou o vereador-ex-patrão que ignorou o pedido de socorro. O laranja, então, procurou este colunista que denunciou o esquema que motivou a operação que agora gerou o pedido de condenação de Idenor Machado.

Consignado Fantasma

É bom que se diga que o vereador Idenor Machado nada teve a ver com a prática na época dos fatos. O esquema era operado por uma meia dúzia de vereadores que ficaram famosos tempos depois com o desfecho da Operação Uragano. A acusação que pesa sobre Idenor agora é de atrapalhar o trabalho da justiça.

Salários Atrasados

Médico muito bem informado entrou em contato com a coluna para ponderar que a promessa de demissão na Educação e outras pastas da Prefeitura de Dourados não deve ser suficiente para equilibrar as finanças municipais. Segundo o atento profissional, os salários deste mês devem atrasar novamente e não existe um único centavo reservado para o 13º salário dos servidores municipais.

Médicos Afastados

O mesmo profissional, disse que em razão da política de perseguição à categoria não tem sido pequeno o número de médicos de afastando do serviço público em Dourados. “A julgar pelo andamento da carruagem, chegará o momento em que faltará médico para atendimento até nos postos de saúde”, analisa.

Tapando Buracos

O padre Leão Kolbe, um dos mais emblemáticos representantes da Santa Igreja Católica em Dourados, usou sua conta no Facebook para postar uma fotografia na qual aparece no meio da rua com um gigantesco buraco no asfalto que acabara de ser tapado. A legenda foi direta: já que o Serviço Público enrola para tapar os buracos da rua, decidimos tapar com cimento.

Buracos Celestiais

Na postagem, o padre Leão não informa em qual rua estava localizado o buraco que foi tapado graças aos dotes operários do religioso. A julgar pela situação da quase totalidade das ruas de Dourados, não demora muito os demais contribuintes terão que seguir o exemplo do padre Leão e colocar a mão na massa para poder transitar com o mínimo de segurança. Espia só!

Contas Reprovadas

A juíza Daniela Vieira Tardin, da 18ª Zona Eleitoral de Dourados, reprovou os gastos de campanha da então candidata Yeda Mara Pessoa de Mello Bernardes, que disputou uma das 19 cadeiras na Câmara Municipal de Dourados no ano passado e ficou na terceira suplência, atrás da Diretora Denize (PR), que obteve 1.331 votos e acabou virando Secretária Municipal de Educação, e da radialista Lia Nogueira, que recebeu 1.254 votos e acabou preterida pelo atual governo.

Origem dos Recursos

Na sentença, a juíza Daniela Vieira Tardin entendeu que as contas apresentadas por Yeda Azambuja foram irregulares e inconsistentes por ter recebido recursos de origem cuja fonte não pode ser identificada. A candidata chegou a ser notificada num primeiro momento pela Justiça Eleitoral, mas não conseguiu comprovar de onde saiu o dinheiro.

Recursos sem Origem

A magistrada argumentou ainda, em sentença, que a candidata Yeda Azambuja não conseguiu comprovar origem e, tampouco, disponibilidade dos recursos na importância de R$ 20 mil para a campanha eleitoral. A sentença ainda ficou barata, já que Yeda Azambuja escapou de ser obrigada a recolher R$ 20 mil aos cofres públicos. A multa só caberia se a origem dos recursos fosse identificada.

Ardidas

· Tem certas coisas que só acontecem em certos países. O único juiz do Tribunal Regional Federal da 4ª Região que votou pela abertura de processo disciplinar contra o juiz Sérgio Moro em virtude da condução dos processos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi filiado ao PT por quase 20 anos. É isso mesmo! O magistrado Rogério Favreto foi petista de carteirinha e agora se julga no direito de atacar o colega de toga que combate a corrupção na política.

· O juiz Favreto chegou a ocupar cargos no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e em outras gestões petistas antes de ingressar no Tribunal. Ao votar a favor do processo disciplinar, o petista afirmou que Moro possui índole política, e não poderia julgar Lula nos processos relativos a Lava-Jato.

· O jornal Folha de São Paulo foi investigar e descobriu que Favreto se filiou ao PT em 1991 e teria deixado o partido em 2010, antes de virar juiz. Detalhe: a mãe dele e a filha também são filiadas petistas, ou seja, está tudo em família. E depois ainda aparece um ou outro petista jurando que o Poder Judiciário está de perseguição com o ex-presidente mais honesto do planeta. Vai vendo.

· Por falar em juiz, uma pergunta não quer calar em relação ao ex-juiz Odilon de Oliveira, que agora debuta no mundo da política: ao longo da carreira de magistrado ele deve ter julgado alguns processos de improbidade, desvio de recursos federais e corrupção ativa envolvendo políticos e como fará para justificar o fato de estar no mesmo balaio agora?

CORPAL

Luau Indaiá

PMD REFIS

Luau Indaiá

WHATSAPP DIÁRIO

Logo whatsapp Diario MS