Banner São Bento

ONU denuncia repressão sistemática de Mianmar para expulsar rohingyas

compartilhe:
Foto: Globo.Com

GLOBO.COM

A campanha de repressão “sistemática” contra os rohingyas foi concebida para expulsar definitivamente a minoria muçulmana do estado de Rakhine, região oeste de Mianmar, denunciou nesta quarta-feira (11) a ONU.

Uma investigação das Nações Unidas baseada em entrevistas com dezenas de refugiados que fugiram para o vizinho Bangladesh descreve uma campanha conduzida pelos militares birmaneses para aterrorizar os muçulmanos rohingyas por meio de estupros e assassinados aleatórios.

Uma equipe de investigadores entrevistou dezenas de refugiados que fugiram para o país vizinho após o início da repressão pelo exército desencadeada em 25 de agosto pelos ataque de rebeldes rohingyas contra as forças de segurança em Rakhine.

Mais de 500 mil rohingyas, cerca metade desta comunidade muçulmana apátrida instalada em Mianmar há décadas, fugiram para Bangladesh.

A investigação aponta, no entanto, que a onda de “operações militares de limpeza” no estado de Rakhine começou antes de 25 de agosto, talvez no início de mês, o que contradiz as reivindicações das autoridades birmanesas de que a campanha de repressão foi lançada para responder aos ataques rebeldes.

Os investigadores delinearam uma campanha militar para erradicar os rohingyas de Mianmar, onde são vítimas de perseguição há décadas.

Os soldados birmaneses também operam frequentemente “junto com budistas armados do estado de Rakhine”, segundo a ONU.

O pesquisador Thomas Hunecke declarou a repórteres em Genebra que a ONU tinha “informações muito credíveis” indicando que os militares haviam enterrado minas terrestres ao longo da fronteira com Bangladesh desde 25 de agosto.

“É altamente provável que essas minas tenham sido enterradas para evitar que os rohingyas voltem”, considerou.

Professores, bem como líderes culturais, religiosos e comunitários, também foram alvos da recente campanha de repressão “com o desejo de menosprezar a história, a cultura e o conhecimento dos rohingyas”, continua o relatório.

CORPAL
Jeep
Luau Indaiá-SAFETY

WHATSAPP DIÁRIO

Logo whatsapp Diario MS