• Início
  • Notícias
  • Chefão do PCC fez documento falso na fronteira em nome de bebê morto

“Minotauro” no dia em que foi preso, em Balneário Camboriú

Chefão do PCC fez documento falso na fronteira em nome de bebê morto

Por Helio de Freitas
Campo Grande News
Imagem: Arquivo
Segundo a Polícia Federal, “Minotauro” era protegido por policiais corruptos
 
Preso no dia 4 de fevereiro de 2019 em Balneário Camboriú (SC), o narcotraficante Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, o “Minotauro”, apontado como responsável pela onda de violência até hoje presente na fronteira entre Paraguai e Brasil, tirou documentos falsos em um posto de identificação em Ponta Porã, a 323 km de Campo Grande.
 
 
A identidade tinha o nome de um bebê que havia morrido três dias após o parto, segundo investigações da Polícia Federal. Detalhes do caso foram revelados pelo colunista Josmar Jozino, do portal UOL.
 
 
Conforme a PF, “Minotauro” veio para o Paraguai em 2012 com a missão de ajudar o PCC (Primeiro Comando da Capital) a conquistar hegemonia do tráfico de drogas na linha internacional com Mato Grosso do Sul.
 
Depois de ganhar a confiança de líderes da facção criminosa no período em que cumpriu pena em presídios do oeste paulista, o bandido foi processado por tráfico de drogas em Bauru (SP) e declarado foragido. A saída foi se refugiar no Paraguai.
 
A investigação mostra que após a chegada dele na fronteira, a violência explodiu. Entre os crimes atribuídos a “Minotauro” na linha entre Pedro Juan e Ponta Porã estão as execuções do policial Wescley Vasconcelos, no dia 6 de março de 2018, da advogada paraguaia Laura Casuso, em novembro do mesmo ano, e do ex-vereador de Ponta Porã Chico Gimenez, tio do traficante Jarvis Gimenes Pavão, em janeiro de 2019.
 
Vida de luxo – Na mira da polícia da fronteira, “Minotauro” fugiu para o litoral de Santa Catarina, onde se instalou com outros documentos falsos, segundo a PF obtidos mais uma vez com a ajuda de policiais corruptos.
 
Aos 36 anos, o traficante foi morar com a mulher, uma advogada de 40, na cobertura do edifício Marina Beach Towers, em Balneário Camboriú. Conforme a investigação da PF, o aluguel mensal era de R$ 10 mil. Ele locou o luxuoso apartamento por um ano e pagou à vista R$ 130 mil.
 
Enquanto mandava matar os rivais no trecho mais violento da fronteira brasileira, “Minotauro” vivia cercado de luxo e brinquedos caros. Além do hangar que havia locado em Porto Belo (SC), onde embarcava com destino a Ponta Porã, ele tinha no apartamento dois relógios Audemars Piguet avaliados em quase R$ 1 milhão, quase R$ 700 mil em reais e dólares, 1.087 kg de joias em ouro e uma BMW comprada por R$ 167 mil e registrada em nome da empregada.
 
Entre a farta documentação apreendida pela Polícia Federal no apartamento de “Minotauro” estavam os projetos de construção de dois hangares em Ponta Porã e planilhas com pagamentos que tinha recebido no valor total de 15,8 milhões de euros pelo envio de cocaína para a Europa.
 
Os agentes federais também encontraram no notebook dele, segundo a reportagem do UOL, anotações de pagamentos de propina a policiais e agentes da fronteira dos dois países. Atualmente “Minotauro” está no Presídio Federal de Brasília, junto com a cúpula do PCC. Outro “hóspede” do local é o sul-mato-grossense Jarvis Gimenes Pavão. 

Faça um comentário

Último boletim da Prefeitura de Dourados