• Início
  • Notícias
  • Com diagnóstico de líquido no pulmão, Eva Wilma apresenta melhora, relata filho

Com diagnóstico de líquido no pulmão, Eva Wilma apresenta melhora, relata filho

Filho de Eva Wilma, Johnny Herbert atualizou o estado de saúde da mãe, internada há três dias com quadro de pneumonia e edema pulmonar (quando há líquido no pulmão). "Ela está melhorando a cada dia. Fez mais um teste de Covid-19, que deu negativo novamente. Agora aguardamos uma estabilização. Logo, logo ela deve voltar para casa", contou o também herdeiro de John Herbert (morto em 2011) à colunista de TV Patricia Kogut, nesta quarta-feira (13).
 
"Os médicos não nos deram uma previsão certa, mas também não há pressa. Queremos que ela se recupere direitinho. Ela precisa de monitoramento por conta de um líquido no pulmão. Imaginamos que ela deve ir para o quarto amanhã", completou Johnny em relação à mãe de 87 anos. Há cinco anos, a artista homenageada durante premiação teatral enfrenou uma embolia pulmonar e ficou cerca de 18 dias hospitalizada.
 
Relembre principais personagens da carreira de Eva Wilma
Nascida em São Paulo Eva Wilma Riefle Buckup Zarattini em 14 de dezembro de 1933, a artista começou na carreira aos 14 anos como bailarina clássica. Em pouco tempo recebeu o convite para ser atriz do TBC (Teatro Brasileiro de Comédia). Aos 20 anos, estreou na TV, na extinta Tupi. Naquele canal, ainda em 1953 estrelou com John Herbert a série "Alô, Doçura!", que ficou 10 anos no ar.
 
Em 1970 vive a megera Jandira da novela "O Meu Pé de Laranja Lima". Na sequência se destacou nas primeiras versões de "Mulheres de Areia" (1973, como Ruth e Raquel), "A Viagem" (1975, como Dinah) e "Guerra dos Sexos" (1983, vivendo a Bárbara). Outro papel memorável foi a Maria Altiva de "A Indomada" (1997), que lhe rendeu o Troféu Imprensa e o troféu da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte).
 
Trabalhou ainda em "Araguaia" (2010), "Fina Estampa" (2011) e "O Tempo Não Para" (2018, como a médica Petra). Já no cinema acumula cerca de 30 filmes como "A Marcha" (1968), "Person" (2006), "O Signo da Cidade" (2007) e "Minha Mãe, Minha Filha" (2018).
 
Marido de Ana Hickmann segue tratando câncer
 
Após ter sido internado no fim de 2020, Alexandre Corrêa segue tratando um câncer na região do pescoço. Ao compartilhar foto com o marido, Ana Hickmann postou legenda de música para incentivar o empresário. "Começar de novo e contar comigo. Vai valer a pena ter amanhecido. Ter me rebelado, ter me debatido. Ter me machucado, ter sobrevivido. Força, vida", escreveu. Um pouco antes da internação, Alexandre disse ter recebido o diagnóstico de desaparecimento do tumor.

Faça um comentário

Último boletim da Prefeitura de Dourados