• Início
  • Notícias
  • Bandidos do PCC usavam fuzis 7,62, pistolas 9 milímetros e revólveres 38

Fuzis, pistolas, revólveres e munições apreendidos com bandidos do PCC abatidos pela polícia

Bandidos do PCC usavam fuzis 7,62, pistolas 9 milímetros e revólveres 38

Por Helio de Freitas
Campo Grande News
Imagem: Divulgação
Armas longas e pistolas são dos mesmos calibres usados em várias execuções na fronteira
 
Dois fuzis calibre 7,62, três pistolas 9 milímetros e três revólveres calibre 38 foram apreendidos com os oito membros da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), mortos em confronto com policiais sul-mato-grossenses em Ponta Porã, a 323 km de Campo Grande. Também foi encontrada grande quantidade de munição de vários calibres.
 
 
Os fuzis e as pistolas são dos mesmos calibres usados em dezenas de execuções ocorridas nos últimos meses na Linha Internacional entre Ponta Porã e Pedro Juan Caballero, inclusive em duas chacinas, uma no distrito de Sanga Puitã e outra do lado paraguaio, no final do ano passado.
 
 
Os confrontos da polícia com os suspeitos ocorreram entre a noite de ontem (11) e a madrugada desta terça-feira. Em uma casa no bairro Julia Cardinal, na saída de Ponta Porã para Dourados, seis bandidos foram feridos e morreram a caminho do hospital. Outros dois conseguiram fugir, mas também foram mortos horas depois por policiais do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) e do Bope da Polícia Militar.
 
 
Até agora, apenas dois mortos foram identificados, os paraguaios Edson Prieto Davalos, de 27 anos, e Oscar Ruben Cardozo Delvalle, 32. Eles possuíam documentos de identificação e também foram reconhecidos por familiares.
 
 
Os corpos estão na capela mortuária do município, já que o IML (Instituto Médico Legal) de Ponta Porã está fechado para reforma. Peritos da Polícia Civil permanecem no local tentando identificar os outros seis mortos, mas o trabalho deve demorar.
 
 
Segundo o delegado regional da Polícia Civil em Ponta Porã, Clemir Vieira, existe suspeita de que os documentos usados pelos bandidos ainda não identificados são falsos. Com isso, a identificação só será possível através das impressões digitais. 

Faça um comentário

Último boletim da Prefeitura de Dourados