• Início
  • Notícias
  • Jacarés amontoados em lama podem morrer se não chover, diz pesquisadora

Jacarés amontados em açude no Pantanal de MS

Jacarés amontoados em lama podem morrer se não chover, diz pesquisadora

Por G1
Imagem: Redes Sociais/Reprodução
Zilca Maria Campos observou entre 4 mil e 5 mil jacarés em área de açude que secou em Corumbá. Segundo ela, é preciso encher o açude de água ou fazer sombreamento para evitar que as altas temperaturas causem a morte dos repteis por desidratação.
 
Após retornar de visita a área de Pantanal de Nhecolândia, distrito de Corumbá (MS) próximo da fronteira com a Bolívia, a pesquisadora Zilca Maria Campos contou ter visto jacarés que estão amontoados em um lamaçal a 50º C de temperatura. Segundo ela, eles correm risco de morrer caso não chova. O lamaçal fica na área de um açude que secou.
 
Pantanal viveu em 2020 sua pior seca em 47 anos, o que contribuiu para o alastramento de queimadas por todo o bioma. O mês de outubro foi o pior da história em focos de incêndio na região: do dia 1° ao dia 28 foram registrados 2.825 pontos de fogo, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).
14% da da área do Pantanal foi queimada apenas em setembro, ainda segundo o Inpe. O número é maior que a área queimada ao longo de todo o ano passado. Muitos animais morreram, ficaram feridos ou precisaram fugir das áreas que pegaram fogo.
A pesquisadora Zilca Maria Campos contou ao G1 que viu entre 4 mil e 5 mil repteis concentrados no mesmo lugar, onde um açude secou. De acordo com ela, a solução a curto prazo para evitar a morte dos animais seria encher o açude com água ou fazer um sombreamento para evitar as altas temperaturas.
 
 
"Se a chuva não chegar, provavelmente muitos vão morrer. Aliás, muitos já morreram", afirmou a pesquisadora. "Eles morrem por desidratação. Os que podem sobreviver são aqueles que se enterram na folhagem, e lá as temperaturas estão mais amenas. Então, os que buscam refúgio no interior da mata têm maiores chances de sobrevivência", completou.
 
Ainda conforme a pesquisadora, a alta taxa de mortalidade ocorre por conta de ações chamadas antrópicas, que partem do homem.
"Houve desmatamento da Amazônia, assoreamento de rios e mudanças climáticas. Tudo isso afeta o Pantanal e, reduzindo as chuvas, reduz também os ambientes aquáticos, e as espécies que são aquáticas sofrem, podendo chegar a morte", comentou.
 
Apenas um açude visitado
 
Zilca explicou ainda que visitou somente um açude dos milhares existentes na região. "Assim como este, existem inúmeros no Pantanal. É uma área muito grande. A Embrapa Pantanal estimou, na década de 90, 3 milhões de jacarés adultos. Como a gente vai salvar todos eles? É impossível"m disse.
"O que a gente faz para minimizar as ações antrópicas, para que o local volte a ter seu curso de inundação, entre cheias e secas anuais, são as ações a curto prazo, que é o que alguns proprietários já estão fazendo", ponderou.
 
No local, ainda conforme a pesquisadora, fazendeiros e capatazes estão fazendo açudes. "Isto também beneficia a fauna e especialmente o jacaré, que depende muito da água. Nós estamos contando muito com apoio da população local e acho que esse amor à natureza é fundamental agora para salvar os jacarés.
Eles estão perfurando os poços, que vão ajudar tanto os animais domésticos, bovinos, equinos, e também a fauna silvestre nesse período de escassez hídrica na planície pantaneira", finalizou.

Faça um comentário

Último boletim da Prefeitura de Dourados