• Início
  • Notícias
  • Mato Grosso do Sul perde Lélia Rita Euterpe de Figueiredo Ribeiro

Mato Grosso do Sul perde Lélia Rita Euterpe de Figueiredo Ribeiro

Faleceu no último domingo (23), por complicações decorrentes da Covid-19, aos 84 anos, Lélia Rita Euterpe de Figueiredo Ribeiro, um nome importante para o Estado de Mato Grosso do Sul, no aspecto cultural e literário. Ela ocupava a cadeira de número 27 da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras.
 
A ASL, emitiu nota de pesar, onde destacou a importância de Lélia Rita na sua atuação em diversas áreas culturais e artísticas de Mato Grosso do Sul, tendo realizado alguns dos primeiros programas e projetos de Levantamento do Patrimônio Histórico, Cultural e Artístico de MS. Lélia Rita tomou posse na Academia Sul-Mato-Grossense de Letras em 1986.
Paulo Coelho Machado se referiu a ela em um de seus livros: “A poesia de Lélia Rita vem repassada do espírito de sua época e traduz muito docemente a aflição maior do povo de sua terra natal – o sul de Mato Grosso -. A propositada e encantadora maneira de praticar a cisão do Estado, sem provocar derriças”.
O jornalista João Carlos Silva também comentou a morte de Lélia Rita Euterpe de Figueiredo Ribeiro, filha do ex-prefeito e ex-governador do estado de Mato Grosso (uno) Dr. Arnaldo Estêvão de Figueiredo. Ele salientou que a acadêmica da ASL escreveu o livro “O homem e a Terra”, onde relatou andanças do pai pelo Estado, demarcando terras que viraram amplas cidades anos mais tarde. ” Lélia Rita Euterpe de Figueiredo Ribeiro representou a cultura do nosso Estado com ampla singularidade. Criou a Casa da Memória Arnaldo Estêvão de Figueiredo, localizada na Avenida Calógeras, esquina com Rua Barão do Rio Branco, onde a história e a cultura caminhavam juntas. Escritora e amante das artes, tem lugar destacado na história do Mato Grosso do Sul como uma das mais influentes personalidades “, comentou João Carlos Silva.

Faça um comentário

Último boletim da Prefeitura de Dourados