• Início
  • Notícias
  • Zé Teixeira diz que UFGD vive novo tempo com gestão moderna

Deputado Zé Teixeira destaca gestão da professora Mirlene Ferreira Macedo Damázio à frente da UFGD

Zé Teixeira diz que UFGD vive novo tempo com gestão moderna

Imagem: Divulgação
O deputado estadual Zé Teixeira (DEM) vai levar ao governo federal um documento amplo no qual aponta os resultados altamente positivos da gestão pro tempore da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) desde que a professora Mirlene Ferreira Macedo Damázio assumiu a Reitoria por determinação do Ministério da Educação. “Hoje vemos que a intervenção foi um mal necessário, porque a UFGD da forma como estava sendo conduzida encontraria enormes dificuldades para cumprir seu papel, seja pelas falhas de gestão, pela omissão dos antigos reitores ou pela falta de capacitação daqueles que estariam no comando dessa que é uma das mais importantes universidades públicas do Brasil”, analisa Zé Teixeira.
Para o deputado, desde que Mirlene Damázio assumiu o comando em 11 de junho de 2019, a Reitoria adotou medidas firmes para estancar prejuízos milionários e valorizar a qualidade no ensino, a pesquisa e extensão. “Foi desenvolvido um conjunto de ações para proporcionar melhorias às atividades da Universidade e atender as diretrizes do Ministério da Educação para o ensino superior brasileiro, sobretudo nos indicadores de gestão e governança, evasão, repetência e retenção nos cursos de graduação e ações da pós-graduação e extensão”, ressalta Zé Teixeira, lembrando que em 2018 a instituição não atingiu mais que 31% de índice satisfatório nas avaliações em todos os itens do MEC.
Paralelo à questão educacional, a reitoria pro tempore também atuou na questão orçamentária para garantir economicidade e eficiência no uso dos recursos públicos. O primeiro passo da gestão pro tempore foi implementar o escritório de gestão de processos, que garantiu a celeridade necessária para elaborar ou concluir documentos obrigatórios exigidos pela Controladoria Geral de União (CGU) e Tribunal de Contas da União (TCU) e que há anos aguardavam elaboração ou conclusões. Foram realizadas ações de orientação e capacitação junto aos diversos setores para aperfeiçoar o modelo gestor e foi criado um plano de Gestão de Riscos, uma exigência do TCU que não havia sido atendida pelas gestões passadas.
Outro ponto importante, destacado pelo deputado, foi a elaboração do Programa de Integridade, uma exigência da Controladoria Geral da União para garantir transparência na gestão da UFGD, sobretudo nas medidas institucionais voltadas para a prevenção, detecção, punição e remediação de fraudes e atos de corrupção, em apoio à boa governança. “São pontos simples, como a implantação do ponto eletrônico para servidores da universidade, que deveria ter sido instalado há mais de 3 anos e somente agora começa a sair do papel”, pontua Zé Teixeira. “A situação era tão crítica, que nem mesmo licenças ambientais e alvarás de funcionamento, alvarás sanitários e do Corpo de Bombeiro, os gestores anteriores haviam providenciado”, lamenta o deputado.
ECONOMIA DE RECURSOS
O deputado ressalta que o compromisso da reitora pro tempore Mirlene Ferreira Macedo Damázio com a moralidade e economicidade pode ser explicado em um único ato de gestão. “Ela devolveu os imóveis alugados pela UFGD e rescindiu contrato de locação do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, gerando economia mensal de quase R$ 59 mil, ou R$ 707.753,76 em apenas um ano”, aponta Zé Teixeira. “O mais grave é que esse aluguel foi pago pelos gestores anteriores da UFGD por anos e o prédio, pasmem, nunca foi ocupado”, denuncia o parlamentar.
Outras medidas como recolhimento e realocação de aproximadamente 300 itens de móveis e computadores de outros setores garantiu economia de R$ 488.795,92 para a Instituição, uma vez que evitou a aquisição de novos produtos para os setores demandantes. “Apenas com esse controle do patrimônio da UFGD, evitando compras desnecessárias, a gestão atual vai garantir uma economia de R$ 5 milhões, ou seja, alguém estava ganhando com esses desmandos”, desabada o deputado.
A frota de veículos que servem à Fazenda Experimental foi recuperada e a nova gestão colocou para rodar duas caminhonetes, dois caminhões e um ônibus. “Veja o que é uma gestão moderna, que instalou usinas fotovoltaicas para garantir produção de parte da própria energia e fez as trocas de 7.854 lâmpadas tubulares por lâmpadas de led, o que vai proporcionar uma economia de energia elétrica e de manutenção estimada em R$ 1,7 milhão”, aponta o deputado.
AUDITORIA E CORREGEDORIA
Sob a gestão da professora Mirlene Ferreira Macedo Damázio, a Autoria da UFGD passou a funcionar, tanto que somente em 2019, de um total de 23 ações planejadas pela auditoria, 14 foram executadas e 9 estão em andamento. “A gestão pro tempore conseguiu executar o monitoramento de boa parte das recomendações pendentes de anos anteriores, oriundas das auditorias realizadas pela Audin, CGU e TCU”, explica Zé Teixeira. “A seriedade da atual reitora é tamanha, que em junho de 2019 foi implantada a corregedoria da UFGD e hoje o órgão trabalha investigando e aplicando vários processos disciplinares correcionais”, ressalta.
Outro destaque foi a conclusão da transferência da gestão plena do Hospital Universitário (HU) para a EBSERH em 31 dezembro de 2019. O processo estava atrasado há 5 anos e hoje a EBSERH é 100 % responsável pela gestão do HU. Após a conclusão do processo de gestão plena do HU com a EBSERH, providências do MEC foram dadas para efetivar o pagamento da dívida de precatório junto a FUNDASUS no valor de aproximado a R$ 10 milhões, de forma que o pagamento foi efetivado e o problema resolvido.
Em meio a todas as mudanças, a nova gestão manteve a continuidade de todas as obras da Universidade, que seguem com regularidade seus planos de execução, sendo que cinco delas estão em fase de recebimento, ou seja, próximas da conclusão. São elas: - Prédio da Faculdade Intercultural Indígena (FAIND); Prédio do Centro de Laboratórios (FINEP); Prédio do Instituto de Pesquisas Ambientais e Tecnológicas (IPAMTEC); Prédio da Unidade da Mulher e da Criança (UMC-HU-UFGD); Nova Prefeitura Universitária (PU); Expansão do Restaurante Universitário; Prédio da Engenharia Civil.
Outros prédios estão seguindo o curso das obras, como, por exemplo, o prédio da Faculdade de Engenharia (FAEN); Prédio da Biblioteca da Faculdade de Direito e Relações Internacionais (FADIR). As obras que ainda estão paralisadas na UFGD, aguardando perícia técnica externa e liberações de orçamentos são: Prédio da reitoria – Unidade II; Centro de piscicultura (FAECA). “Tenho certeza, que com uma gestão moderna, livre de influências de partidos ou grupos políticos e sem ideologia partidária ou de governo, a professora Mirlene Ferreira Macedo Damázio concluirá sua missão e resgatará cada vez mais a UFGD para os docentes, acadêmicos e para a sociedade de Mato Grosso do Sul”, finaliza Zé Teixeira.
 

Faça um comentário

Último boletim da Prefeitura de Dourados