Banner São Bento

Médico pediatra faz desabafo e seu artigo ganha as redes sociais

compartilhe:

Malagueta – 7/11

 

Desabafo do Médico

O médico pediátrico Takeshi Matsubara, que militou durante anos no Partido dos Trabalhadores (PT) e chegou a assumir a Secretaria Municipal de Saúde no primeiro mandato do prefeito Laerte Tetila (PT) ignorou um dos princípios da homeopatia, área em que é especialista, e ao invés de doses leves e progressivas optou por doses cavalares na crítica à prefeita Délia Razuk (PR). Em sua conta no Facebook, o médico disparou: embora tenha nascido em Santana do Itararé, no Paraná, moro em Dourados desde 1988, há quase 30 anos. Sinto- me portanto um douradense de coração. Em tantos anos, já vimos bons e maus momentos, mas, com certeza, estes últimos anos têm sido bastante lamentáveis. Sabemos que a culpa não é somente da atual prefeita no cargo, pois o país está superando um dos momentos mais difíceis de sua história, seja na esfera moral ou econômica. Porém é nos momentos difíceis que sobressaem os bons gestores.

 

 

Criticando a prefeita

Continua o Dr. Takeshi: infelizmente, o que temos visto é uma prefeita com tibieza e que tem se mostrado incapaz de tomar medidas de pulso e de iniciativas para arrumar a casa. Neste momento em que as verbas federais secaram, era necessário tomar medidas de austeridade, cortando na carne, para poupar os parcos recursos.

 

Sugestão de Gestão

Enfatiza o Dr. Takeshi: gastar bem e aumentar a receita, utilizando mecanismos da iniciativa privada, com parcerias público privadas são receituários seguidos pelos administradores que têm se destacado neste momento de crise. E cancelar eventos que não condizem com momentos de tamanha crise econômica.

 

Veto ao Dourados Brilha

Ao defender economia de recursos, o médico foi enfático na crítica ao à decoração natalina das ruas pela prefeitura: por isto, a indignação dos douradenses com os milhões que serão gastos com o Dourados Brilha. Se os comerciantes acham que o evento é importante para movimentar a cidade, que eles banquem com esta despesa, não o setor público.

 

Cobrando Demissões

Em relação ao balcão de empregos que se instalou na Prefeitura de Dourados, com a nomeação de mais de 640 comissionados, Dr. Takeshi disparou: os cargos comissionados precisam ser todos demitidos! A gestão das unidades hospitalares precisa ser revista. Os acordos com os professores e educadores precisa ser cumprido. Não é nada impossível!

 

Críticas ao Governador

Nem mesmo o governador Reinaldo Azambuja foi poupado no desabafo do Dr. Takeshi: ah, governador, o senhor já foi prefeito um dia, tenha dó de nós e libere o dinheiro prometido para arrumar nossas avenidas e construir nosso hospital regional. Dói fundo, ver a cidade abandonada, toda esburacada, ver as pessoas ficarem meses e anos esperando por uma consulta com especialistas, exames, tomografias e ressonância que nunca acontecem.

 

Defendendo Professores

Em relação à mudança no Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) aprovado recentemente pela Câmara Municipal e que suprimiu direitos dos professores, o Dr. Takeshi desabafou: dói fundo ver os professores e educadores terem seu tapete puxado debaixo de suas pernas, de terem leis mudadas e palavras empenhadas descumpridas!

 

Finaliza Dr. Takeshi

O desabafo do médico é finalizado com um conselho: prefeita, reveja sua gestão, vá buscar fora modelos que deram certo, não tenha vergonha de imitar o que possa ajudar nossa cidade a sair deste limbo! Vamos, prefeita, ainda dá tempo, se a senhora quiser realmente dar um choque de gestão!!!

 

Amigo do CMO

O professor universitário e piloto Domingos Venturini, conhecido como Comandante Renato, já preparou o terno para ser homenageado pelo comando do Exército Brasileiro nesta sexta-feira. Em solenidade na 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada de Dourados, o Comandante Renato receberá o título de amigo do Comando Militar do Oeste (CMO).

 

Pacientes com Câncer

Alguém com autoridade na Secretaria Municipal de Saúde precisa colocar ordem nessa situação envolvendo os pacientes com câncer em Dourados. Há dias uma dessas vítimas do sistema está internada no corredor do Hospital da Vida à espera de um leito para receber atendimento digno. Está um verdadeiro jogo de empurra na oncologia de Dourados e nada é feito para solucionar o problema.

 

Dinheirama no Câncer

Essa situação não deveria existir, já que no dia 14 de setembro de 2017 o Diário Oficial do Município de Dourados, edição 4.536, publicou em sua página 5, o Extrato de Contrato número 280/2017, tendo como partes o município de Dourados e a Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul (Cassems) na soma de R$ 17.743.194,30 para execução de serviços médico-hospitalares e ambulatoriais de média e alta complexidade na área de Oncologia.

 

Contratando Médicos

No mesmo dia, o Diário Oficial publicou o Extrato de Contrato número 281/2017, tendo como partes o município de Dourados e o Centro de Tratamento de Câncer de Dourados S/S no valor de R$ 3.464.471,70, tendo como objeto a execução de serviços médico-hospitalares e ambulatoriais de média e alta complexidade na área de Oncologia.

 

Ardidas

  • O que a Prefeitura de Dourados já está fazendo em relação às constatações do Tribunal de Contas do Estado (TCE) com relação à qualidade no ensino e estrutura disponibilizada aos professores da Rede Municipal de Ensino (Reme)? Vale lembrar que a qualidade duvidosa no ensino e excesso de servidores temporários na Educação foram os problemas mais graves apontados pelos técnicos do Tribunal de Contas.

 

  • A auditoria aponta que pelo menos 1.752 alunos de 4 e 5 anos estão fora da sala de aula e faltam 54 salas de aula na Reme de Dourados. Mais grave: 62% das crianças de 0 a 3 anos não estão matriculadas. Nessa faixa etária 1.416 crianças estão fora da escola e faltam 177 novas salas de aula, o que caracteriza descumprimento da meta 1 do Plano Nacional da Educação que prevê universalizar a educação infantil na pré-escola para crianças de 4 e 5 anos até 2016 e ampliar a oferta de educação infantil de no mínimo 50% das crianças de zero a 3 anos até a vigência do PNE.

 

  • O TCE também alerta ainda que na meta 2 que é “universalizar o ensino fundamental de 9 anos para toda a população de 6 a 14 anos e garantir que pelo menos 95% dos alunos concluam essa etapa na idade recomendada, até o último ano de vigência deste PNE” não está sendo cumprida. O relatório aponta que apenas 30% dos alunos concluem esse ensino na idade recomendada e os estudantes com deficiência não são bem atendidos na Reme com a falta de estruturas com acessibilidade como corrimões, rampas e estruturas adaptadas.

 

 

  • Detalhe: o município não conseguiu atingir a nota do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) nos anos finais pelos últimos quatro anos consecutivos. Em 2013 a meta era 4,2 e a nota de Dourados foi de 3,5. Em 2015 a meta era 4,5 e Dourados atingiu 4,2. Em relação a infraestrutura nas escolas foram encontradas situações como abandono nas quadras poliesportivas, mobiliário de refeitório em condições ruins, banheiros danificados.

CORPAL

Luau Indaiá

PMD REFIS

Luau Indaiá

WHATSAPP DIÁRIO

Logo whatsapp Diario MS