Diário MS
Get Adobe Flash player

Justiça indiana declara rios Ganges e Yamuna ‘seres vivos’ com direitos

Agência EFE

Rajesh Kumar Singh/AP

Devotos hindus oferecem orações durante mergulho no rio Ganges, em Allahabad, como parte das comemorações do festival Navratri. Conhecido como festival das nove noites, o evento religioso é celebrado por milhões de fiéis com jejuns e festas.

Um alto tribunal indiano declarou os Rios Ganges e Yamuna “seres vivos” com direitos equiparáveis aos das pessoas. O advogado que apresentou o pedido,M. C. Pant, divulgou a informação, segundo a agência Efe. A decisão acontece uma semana depois de a Nova Zelândia dar status similar a um rio.

O Tribunal Superior de Uttarakhand, estado do norte da Índia, “ordenou outorgar ao Rio Ganges, ao Rio Yamuna e aos afluentes os títulos de ‘seres vivos'”, disse M. C. Pant, que em 2014 apresentou a reivindicação para que os direitos destes rios indianos fossem reconhecidos. Segundo ele, a demanda foi apresentada a pedido de um morador da cidade sagrada Haridwar, em Uttarakhand, por onde passa o Ganges, que “é como uma mãe, mas está sendo descuidado”.

O Tribunal Superior do estado resolveu agora o pedido depois que na semana passada o Parlamento da Nova Zelândia deu ao Rio Whanganui, venerado pelos maoris na Ilha do Norte, o status de “pessoa jurídica” mediante uma lei.

Tanto o Yamuna quanto o Ganges, o rio mais sagrado do hinduísmo, apresentam altos níveis de poluição. No caso do Ganges, quando passa pela cidade de Varanasi, um dos polos do hinduísmo, o nível de bactérias fecais por 100 mililitros pode chegar a 31 milhões, quando o máximo recomendado para o banho é de 500 e para o consumo, zero.

Um estudo publicado na Revista Internacional de Saúde do Meio Ambiente em 2006 já dizia que um indivíduo pode nesse rio contrair cólera, hepatite A, tifo, problemas gastrintestinais ou disenteria.

O Ganges é destino de peregrinação de milhões de pessoas anualmente, que vão lavar seus pecados e se libertar do ciclo de reencarnações.

Imagem de 2015 mostra o príncipe Harry em uma waka (canoa de guerra Maori) no rio Whanganui (Foto: Marty Melville/AFP)Imagem de 2015 mostra o príncipe Harry em uma waka (canoa de guerra Maori) no rio Whanganui (Foto: Marty Melville/AFP)

Imagem de 2015 mostra o príncipe Harry em uma waka (canoa de guerra Maori) no rio Whanganui (Foto: Marty Melville/AFP)