Diário MS
Get Adobe Flash player

Flamengo marca aos 49 do 2º tempo e empata com o Fluminense no Maracanã

NÃO EMBALA | Resultado não foi bom para nenhuma das equipes, que ainda não embalaram no Campeonato Brasileiro

 

AE

Mailson Santana/Fluminense

FLA-FLU movimentado no Maracanã terminou em 2 a 2 na tarde deste domingo, pela oitava rodada do Brasileirão

Um gol aos 49 minutos do segundo tempo garantiu, ontem, no Maracanã, o empate por 2 a 2 no clássico entre Fluminense e Flamengo, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. Em um jogo movimentado, especialmente no segundo tempo, a equipe de Abel Braga parecia que encerraria a incômoda sequência sem vitórias. Até o chute preciso de Trauco garantir a igualdade ao time de Zé Ricardo.

 

O resultado, contudo, não foi bom para nenhuma das equipes. O Fluminense chegou à quarta partida sem vitória e segue nas posições intermediárias da tabela de classificação, com os mesmos 11 pontos do Flamengo, que continua sem engrenar na competição nacional.

Pelo Brasileirão, o Fluminense volta a jogar novamente na quarta-feira, contra o Avaí, na Ressacada, em Florianópolis. Já o Flamengo enfrenta a Chapecoense na quinta-feira, no estádio Luso Brasileiro, agora apelidado de Ilha do Urubu, no Rio.

Os dois times entraram em campo neste domingo com objetivos similares: vencer, deixar a zona intermediária e retomar a confiança abalada após uma sequência inconstante de atuações. Mas, se a necessidade do triunfo poderia levar a uma disposição ofensiva, ao menos no início ocorreu justamente o contrário: preocupados em não perder, Fluminense e Flamengo fizeram um jogo tenso e estudado.

Contando com o retorno dos peruanos Trauco e Guerrero, que estavam na seleção, e a confirmação de Juan como parceiro de Réver, o Flamengo até assustou no primeiro lance da partida: Vinicius Junior recebeu sozinho nas costas da zaga, mas bateu fraco e facilitou a defesa de Júlio Cesar. A partir daí, com Diego apagado e quase nenhuma criatividade na armação, a equipe teve sérias dificuldades para atacar. Vinicius Junior e os laterais até eram acionados. As jogadas, contudo, não se desenvolviam.

O panorama era muito parecido no Fluminense. Com o retorno do volante Orejuela da seleção equatoriana e a presença de Mascarenhas no lugar de Léo, o time de Abel Braga trocava passes ineficientes no meio e tinha dificuldades para infiltrar.

Se Calazans, Richarlison e Henrique Dourado faziam partida apagada, o Fluminense começou a melhorar quando Wendel passou a atacar com mais frequência. E a chegada de um elemento surpresa desestabilizou o sistema defensivo do Flamengo.