Diário MS

Festa do laço reunirá cerca de duzentos e cinquenta competidores em Maracaju

FESTIVIDADE| O 2º Encontro de Laço Comprido acontece de 7 a 9 de abril  na pista do Clube Acatama

DIVULGAÇÃO

Juliano Schmaedecke e Marcão estiveram rádios convidando a população para o 2º Encontro de Laço Comprido

O presidente do Sindicato Rural de Maracaju, Juliano Schmaedecke, acompanhado do Patrão do Clube do Laço Acatama, Marcos Lopes Nogueira (Marcão), esteve nas rádios do município convidando a população de Maracaju e região para o 2º Encontro de Laço Comprido etapa CIGA em Maracaju, que acontece de 7 a 9 de abril na pista de laço do Clube Acatama.

De acordo com os organizadores, um grande público é esperado durante a festa, que reunirá os melhores laçadores do MS em uma disputa emocionante durante os três dias de prova. Neste ano, cerca de 50 equipes participarão da festa em Maracaju, onde 250 laçadores competirão em busca dos melhores resultados.

O 2º Encontro de Laço Comprido terá uma ampla programação: na sexta feira (07), abrindo as atividades da festa, acontece a tradicional Vaca Gorda; no sábado (08), haverá o início das laçadas, com almoço e baile Carapé durante todo o dia; no domingo (09), é quando o final das laçadas acontece.

Cerca de 15 mil reais de premiação em dinheiro será dividido por categorias de laçadas, “Convidamos toda a população de Maracaju e região para prestigiarem a festa”, salientou o Patrão do evento Marcão.

O 2º Encontro de Laço Comprido Etapa CIGA em Maracaju tem entrada franca e estacionamento gratuito. Mais informações sobre o evento no Sindicato Rural de Maracaju ou pelo telefone 3454-2565.

 

HISTÓRIA DA FESTA

 

Os primeiros Mineiros chegaram ao Mato Grosso por volta de 1842, encontrando gado por lá. As Forças Brasileiras também cruzaram esse campo de vacarias em 1865. E, nessa mesma guerra, dos ataques dos soldados paraguaios, durante a Retirada da Laguna, certamente também se extraviaram alguns cavalos nessa região.

De lá pra cá, a pecuária não parou mais de se desenvolver. Homens campeiros que iniciaram a colonização do MT. Por isso, pode-se dizer hoje que eles são o sustentáculo da economia do Estado. E esses homens são os responsáveis pelos Clubes de Laço da Federação de Clubes de Laço do MS.

Graças às magníficas pastagens naturais, o gado vacum e cavalar desenvolveu-se muito bem e, em poucas décadas, já existiam manadas baguais em todos os recantos, principalmente no Pantanal.