Diário MS
Get Adobe Flash player

Endividado, Hospital Evangélico pode demitir mais 150 funcionários este mês

João Pires

 

João Pires

Com crise financeira, diversos setores do Hospital Evangélico foram fechados, incluindo a área de hemodiálise

Sem recursos financeiros, o HE (Hospital Evangélico) de Dourados pode demitir, ainda no mês de janeiro, mais 150 profissionais de enfermagem, caso não ocorra investimentos do município e do Estado. Segundo o Siems (Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem de MS), o último levantamento apontou um reduzido quadro de funcionários, de 250 profissionais, porém, este número já está defasado, pois somente na semana passada houve a evasão de mais 15 funcionários.

 

De acordo com o presidente do Sindicato dos Enfermeiros, Lázaro Antonio Santana, por determinação do MP (Ministério Público), nos próximos dias será reduzido o quadro de leitos de internações e, consequentemente, o número de funcionários também deve diminuir ainda mais. “Apesar de não terem nos comunicado oficialmente, entendemos que com a redução de leitos automaticamente ocorram as demissões, tendo em vista que todos os trabalhos do hospital estão sendo conduzidos pelo Ministério Público”, afirmou Lázaro, ao Diário MS.

Segundo apurou a reportagem, pouco menos de 30 pacientes são internados diariamente no Hospital Evangélico e caso ocorram às demissões previstas a unidade hospitalar deve contar com somente com 85 profissionais de enfermagem. De acordo com o Sindicato, com as contas bloqueadas pelo MP diversos setores de atendimentos do tradicional hospital de Dourados já fecharam por não ter onde internar pacientes, incluindo o setor de hemodiálise. “A situação é caótica, sem funcionários, inclusive com falta de material básico para trabalhar, fica praticamente impossível o HE sobreviver muito tempo”, lamentou Lázaro.

Com relação aos salários atrasados, segundo o sindicalista a folha de pagamento do mês passado ocorreu após a última manifestação dos enfermeiros, em dezembro, porém, este mês, até ontem, ainda não havia sido paga a folha e não havia previsão para que ocorresse. “O Hospital Evangélico está operando no vermelho e se não conseguirem recursos da prefeitura ou do Estado para aumentar a demanda de atendimentos, infelizmente vai fechar as portas”, alertou.

 

AUDITORIA

O caos financeiro do Hospital Evangélico de Dourados vem se arrastando há anos, tanto que em abril de 2016, o MPE (Ministério Público Estadual) pediu investigação do Ministério da Saúde sobre a aplicação de verba pública destinada ao hospital, que é administrado pela Associação Beneficente Douradense.

A unidade particular também é credenciada para atendimento de alta complexidade nas áreas de oncologia, nefrologia e cardiologia a pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) de 34 municípios da região sul e fronteira com o Paraguai.

O Diário MS entrou em contato com a assessoria de imprensa do hospital, porém, esta afirmou que as informações só poderiam ser fornecidas após contato com a diretoria do hospital. Até o fechamento da matéria, a reportagem não obteve resposta.