Diário MS
Get Adobe Flash player

Domingo de poesia marca lançamentos de Fernanda Ebling e Luciano Serafim

LIVROS “Entre cacos, desapego-me” e “Sururu com Coca-Cola”, financiados pelo Fundo de Investimentos à Produção Artística e Cultural (FIP) serão publicados a partir das 16h, na Rua Izzat Bussuan, 2610, BNH II Plano

 

Bárbara Ballestero

Diário MS

DIVULGAÇÃO

Após o lançamento, obras estarão à venda pela internet em livrarias e banca de revista de Dourados

No próximo domingo (26), a partir das 16h, Fernanda Ebling e Luciano Serafim realizam uma tarde dedicada à poesia, com o lançamento conjunto dos livros “Entre cacos, desapego-me” e “Sururu com Coca-Cola”. As obras foram financiadas pelo Fundo de Investimentos à Produção Artística e Cultural (FIP), da Prefeitura Municipal de Dourados. O evento acontecerá no quintal da mãe de Fernanda, na Rua Izzat Bussuan nº 2610, BNH II Plano.

 

A escritora douradense Fernanda Ebling lançará seu segundo volume de poemas, “Entre cacos, desapego-me”, composto por 52 poemas divididos em duas seções: “Entre cacos” e “Desapego-me”. A obra contém ilustrações coloridas em aquarela, elaboradas pela artista plástica Juliana Tonin.

A autora destaca que o título “Entre cacos, desapego-me” vem do renascer no meio dos cacos e aprender a desapegar-se até mesmo de si. A primeira parte, “Entre cacos”, é a junção de poemas dilacerados em prosa e poesia, e a segunda, “Desapego-me”, é a brisa do vento que faz as folhas do outono dançarem no ar.

No prefácio, o professor doutor em Literatura Comparada, Neurivaldo Campos Pedroso Junior, afirma que os poemas e contos de Fernanda interpelam quem os lê, transformando os leitores em interlocutores. “São textos intimistas e pungentes, parecem compostos não por linhas cheias de palavras, mas por entrelinhas repletas de sentidos”.

 

POESIA AUTOBIOGRÁFICA

“Sururu com Coca-Cola”, o sexto livro publicado por Luciano Serafim, escritor e jornalista alagoano radicado em Dourados desde 1994, é considerado pelo autor como sua obra mais autobiográfica.

“Nesse livro, finalmente consegui unir as minhas vivências de Alagoas com as experiências em Mato Grosso do Sul. Sururu é um mexilhão típico do Nordeste, que minha família consumia muito lá em Messias, onde morávamos. E coca-cola todo mundo conhece, era algo que eu conhecia apenas nos comerciais de tevê e que só vim experimentar quando cheguei a Dourados”, afirmou ele.

Para o professor Doutor em Literatura, Rogério Silva Pereira, o novo livro é um marco de amadurecimento do poeta. “Serafim tornou-se adulto como poeta para converter-se mais e mais em menino. Isso fica evidente quando comparamos o presente com o passado. Com efeito, tanto os livros de juventude ‘Eu, entre nós’ (2002) e ‘Mordendo as lábias’ (2006) quanto o recente ‘Raiz transeunte’ (2013) são portos provisórios no rumo desse ‘Sururu com Coca-Cola’. E aí aparece a transformação. A receita é a mesma, mas o trato com os ingredientes, outro. O resultado é paradoxalmente uma maturidade de menino”, completou.

 

EDITORA REGIONAL

Em 2013, Fernanda Ebling e Luciano fundaram o Arrebol Coletivo, editora colaborativa de livros artesanais, em que incentivam os escritores do Mato Grosso do Sul a publicarem, de uma forma alternativa, livros com uma editoração de qualidade, porém, com um custo baixo.

A intenção, segundo os editores, sempre foi dar voz aos bons escritores que não conseguem publicar seus livros com fomentações governamentais ou que não possuem condições de pagar uma tiragem de 500 a 1000 exemplares.

Já foram publicados 11 livros: “Rabiscos que Sufocam”, de Fernanda Ebling; “Raiz Transeunte”, de Luciano Serafim; “só não disse…”, de Sá Junior da Cruz Lopes; “Nu Silêncio”, de Frann Zamora; “Contos Infames”, de Greg Kooche; “Poeme-se” (coletânea de poemas de Matheus Heindrickson, Sá Junior da Cruz Lopes e Stela Victório Faustino); “Memórias de um libertino sem sorte”, Greg Kooche; “Nós de mim”, de Fernanda Campos; “Na fronteira”, de W. Rodrigues; além de “Entre cacos, desapego-me” e “Sururu com Coca-Cola”.

A editora tem página no Facebook, por meio da qual as obras poderão ser adquiridas.