Diário MS

Cai o poder de compra do pecuarista

CONSUMO | Mesmo com a alta no preço do boi, o consumidor não irá pagar mais caro na carne, apontam os especialistas

PREÇO da carne não vai sofrer alta por causa da demanda está baixa, e mesmo com as dificuldades enfrentadasDiario MS

PREÇO da carne não vai sofrer alta por causa da demanda está baixa, e mesmo com as dificuldades enfrentadas

De 2014 até agora, o preço dos animais de reposição em Mato Grosso do Sul teve uma alta de 44,8%, segundo dados do Sistema Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul). O invernista, que compra o boi magro para fazer a engorda e depois revende para os frigoríficos é o mais prejudicado, pois compra o animal com preço de reposição, que está elevado, e faz a venda seguindo o preço da arroba, que não seguiu os mesmos índices e se mantém estável.

“Os altos preços da reposição estão diminuindo a margem do invernista, que compra o boi magro, engorda e vende para o frigorífico, uma vez que o preço da reposição continua em alta sem reação do preço da arroba do boi gordo”, explica a economista e gestora do departamento econômico do sistema Famasul, Adriana Mascarenhas.

Mesmo com toda essa elevação e dificuldade que o pecuarista enfrenta atualmente e as dificuldades do setor, o consumidor por enquanto não será prejudicado com elevação no preço da carne. Adriana, diz que a explicação para elevação nos preços da carne é a demanda baixa por parte do consumidor. As pessoas estão comprando menos por causa do atual cenário econômico que o país vive.

“De fato está difícil encarecer o preço da carne ao consumidor, pois a demanda por carne continua fraca. Se as indústrias passarem o aumento para o consumidor, a demanda que já está fraca irá diminuir ainda mais”.

CENÁRIO

Atualmente é necessário que 2,22 arrobas de boi gordo a mais, em relação ao ano anterior, para adquirir o mesmo bezerro. É possível adquirir 1,61 bezerro de 7,5 arroba com a venda de um boi gordo, frente a 2,05 arroba no mesmo período do ano passado. A expectativa é de que os preços permaneçam firmes no Estado.

Em relação ao preço médio do mês passado, as cotações subiram 2,1%, em média. O bezerro de ano de 7,5 arrobas subiu 2,5%, e está cotado em R$ 1.430,00.

A situação dos preços altos não foi totalmente ruim. Este cenário beneficiou os pastos, que também colaboram com a movimentação do mercado. Segundo a Famasul, mesmo com a resistência dos compradores diante dos da elevação do preço os negócios ocorrem pela necessidade de repor os animais.

EXPORTAÇÕES

Para a economista da Famasul, as exportações continuam com dificuldades, devido ao cenário de queda no preço do petróleo, já que alguns países que compram a carne do Brasil passam por crise financeira, pois o meio de obter capital são as exportações do petróleo.

“Estes problemas macro econômicos no âmbito internacional é o que impacta negativamente a exportação brasileira. Por outro lado, a alta do dólar deixa o preço da carne para exportação no Brasil mais competitivo no mercado internacional”, conclui.