Diário MS
Get Adobe Flash player

Boletim do Movimento do Comércio revela que dezembro de 2016 foi o melhor dos últimos quatro anos

Levantamento mostra que o consumidor (MCV-PF) está mais confiante, porém, os empresários (MCV-PJ) continua cauteloso ao compor seus estoques.

 

A pesquisa do Movimento do Comércio Varejista (MCV) realizada pela Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG), mostrou que o mês de dezembro foi o melhor para o comércio desde o ano de 2012. Foram registrados 122 pontos, 22 pontos acima do indicador de novembro, e 21 pontos superior a dezembro de 2015, seguindo a tendência de melhora apresentada desde o mês de setembro. “Apesar de todas as incertezas, embora a recuperação não esteja ocorrendo de forma rápida, é indiscutível que as condições gerais estão melhores. A expectativa de um dezembro superior ao que enfrentamos em 2015 por fim se concretizou”, analisa o economista-chefe da ACICG, Normann Kallmus.

 

Metodologia – O MCV/ACICG é um índice apurado a partir da evolução dos dados do setor, englobando as transações realizadas entre empresas e também entre consumidores e o comércio. Considerando a sazonalidade característica da atividade comercial, o MCV foi desenvolvido com base fixa definida pela média do desempenho do ano de 2014. O Índice é composto de dois outros sub índices que ajudam a avaliar sua evolução: o MCV-PF, que analisa as transações entre Pessoas Físicas e as empresas do setor terciário, e o MCV-PJ, que avalia as transações entre as empresas.

Sobre o acumulado do ano, Kallmus ressalta que é importante considerar que o mês de janeiro apresentou um MCV de 74 pontos, impactando negativamente a média do ano com um MCV 93 pontos, sete abaixo da média de 2014, no entanto, o indicador de dezembro de 2016 foi superior ao de 2015.

O MCV-PF de dezembro de 2016 foi de 128 pontos, contra 106 no mesmo mês de 2015, 124 em 2014, e 113 em 2013. “Este indicador, que só foi superado pelo de 2012 (142) é o que melhor explica o desempenho positivo em relação ao ano passado”, explica o economista. Já o MCV-PJ de dezembro de 2016 foi de 72, contra os 58 registrados em dezembro de 2015, e 82 em 2014. “Houve uma queda do indicador em relação aos dois meses anteriores (outubro e novembro) o que, no entanto, se repete sazonalmente com grande consistência”, complementa.

“Comparando-se diretamente os indicadores de dezembro dos últimos cinco anos, nota-se que, isoladamente, o de 2015 foi o melhor desde 2012, o que não pode ser considerado como um indicador absoluto, até porque a média do ano foi bastante inferior à de 2014. Outro ponto a ser destacado é que o MCV-PJ foi superior somente ao de 2014, demonstrando que as transações entre empresas continuam abaixo dos valores históricos em função da evidente retração do mercado e da tendência de redução de estoques, evitando imobilizações sem garantia de liquidez”, explica Kallmus.

 

Curva de Tendência – A Curva de Tendência é um modelo matemático que nos possibilita considerar impactos sazonais e projetar o comportamento de uma série. O gráfico abaixo apresenta a curva de tendência (linha tracejada), elaborada a partir das médias móveis de 4 meses. “Como se verifica, a nova inflexão a partir de novembro, aponta agora para uma tendência de aceleração da recuperação. Perspectivas Janeiro não costuma ser um mês forte para o varejo e nada indica que 2017 será melhor. O peso dos impostos e as férias deverão drenar recursos do comércio local”, finaliza o economista.

 

Reprodução