Diário MS
Get Adobe Flash player

Atlético Nacional é recebido com aplausos e medalhas em Chapecó

IDA | Equipe colombiana vem para jogo da Recopa e recebe carinho dos brasileiros tanto em SP quanto em SC

Janir Júnior

Chapecoense recebe Atlético Nacional em aeroporto

Globo.com

Chapecó, SC

 

Em solo, corredores com crianças portando bandeiras aguardavam. Torcedores, brasileiros e colombianos, se aglomeravam nas grades do aeroporto Serafim Enoss Bertaso. Juntos, entoavam músicas da Chape. Quando o avião tocou o solo, a emoção tomou conta. E Chapecó pôde, enfim, retribuir o carinho recebido há quatro meses, quando o povo colombiano se solidarizou e abraçou os brasileiros após a tragédia envolvendo o avião da Lamia.

O Atlético Nacional chegava a Santa Catarina para decidir a Recopa contra a Chapecoense.

As homenagens começaram antes mesmo de a delegação deixar a aeronave, que pousou às 13h45. Bombeiros, com caminhões-pipa, fizeram um portal com jatos d’água para receber o avião. Ao descerem, os jogadores receberam medalhas, entregues por Rafael Henzel, um dos sobreviventes do voo da Lamia, e pelo prefeito Luciano Buligon. A cerimônia também contou com uma banda marcial.

Na sequência, os atletas e dirigentes seguiram para um ônibus, que foi acompanhado por um caminhão dos bombeiros em uma pequena carreata até o hotel. A população, que foi às ruas, saudou os jogadores, recebidos por muita gente também ao chegarem ao hotel.

GUARULHOS/SP

Antes, por volta de 10h20, jogadores e comissão técnica do Nacional haviam feito conexão em Guarulhos, São Paulo, onde receberam o carinho dos brasileiros. A retribuição à solidariedade demonstrada desde a tragédia rendeu agradecimento do time:

“Em Guarulhos, onde passamos muitas vezes sem sermos descoberto, agora nos veem, nos observam, nos reconhecem. Pedem fotos, autógrafos, a pele arrepia, os agradecimentos vêm e vão. De repente, perto da porta 215, chegamos à emotividade total. Um casal, que nos disse ser de Chapecó, sem rodeios expressa para nós eterna gratidão ao clube, palpitações aceleradas. Vê-los foi se encontrar com irmãos. Não houve esforços para provar isso. Nacional é Chapecó. Por toda a eternidade”.